Mundo São Paulo cancela réveillon por casos da variante ômicron

04:36  07 abril  2022
04:36  07 abril  2022 Fonte:   afp.com

Ômicron contorna imunidade melhor que Delta, aponta estudo dinamarquês

  Ômicron contorna imunidade melhor que Delta, aponta estudo dinamarquês Ômicron contorna imunidade melhor que Delta, aponta estudo dinamarquêsDesde a descoberta em novembro da altamente mutada variante Ômicron, cientistas têm se apressado para descobrir se a causa casos menos graves da doença e por que parece ser mais contagiosa do que a variante Delta, antes dominante.

A cidade de São Paulo decidiu cancelar nesta quinta-feira (2) as comemorações de Ano Novo para evitar a propagação da nova variante ômicron do coronavírus, uma medida tomada depois da confirmação de três casos.

(Arquivo) Lojas e ruas vazias após fechamento de serviços não essenciais no estado de São Paulo em março de 2021 © Miguel SCHINCARIOL (Arquivo) Lojas e ruas vazias após fechamento de serviços não essenciais no estado de São Paulo em março de 2021

"Réveillon cancelado por conta da indicação da vigilância sanitária", disse o prefeito Ricardo Nunes durante visita a Nova York, suspendendo comemorações que geralmente reúnem dois milhões de pessoas na Avenida Paulista.

Com essa decisão, mais da metade das capitais do país (ao menos 16 de 27), entre elas Brasília, Recife e Porto Alegre, não terão festas para receber 2022. Rio de Janeiro, por enquanto, mantém as comemorações.

Estudos sugerem que ômicron causa menos hospitalizações

  Estudos sugerem que ômicron causa menos hospitalizações Resultados preliminares ainda não foram revisados por pares. Especialistas alertam contra excesso de otimismo, ressaltam que cepa se espalha mais rápido e que cifra de infecções pode sobrecarregar hospitais. © Steve Parsons/Getty Images Um dos estudos registrou diminuição de entre 20% e 25% no tempo de internação entre pacientes com ômicron Dois estudos do Reino Unido sugerem que as infecções com a variante ômicron da covid-19 têm menos probabilidade de resultar em hospitalização, comparadas com a variante delta.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também de viagem a Nova York, anunciou em sua conta do Twitter que "o estado de SP vai manter a exigência do uso de máscara em espaços abertos" no estado mais populoso do país, com mais de 46 milhões de habitantes, atendendo a uma recomendação do Comitê Científico que assessora o governo.

O Comitê indicou que "há incertezas quanto ao impacto da variante ômicron às vésperas do fim de ano. Os períodos de Natal e do Réveillon costumam provocar grandes aglomerações, o que facilita a transmissão de doenças respiratórias como a covid-19", explicou o governo em nota.

A determinação é um retrocesso sobre o anúncio da semana passada, quando o governo estadual decretou o fim do uso obrigatório de máscaras em espaços abertos a partir de 11 de dezembro.

Ômicron: Maioria das vacinas provavelmente não impedirá infecção, mas pode evitar casos graves

  Ômicron: Maioria das vacinas provavelmente não impedirá infecção, mas pode evitar casos graves Maioria das evidências até agora se baseia em experimentos de laboratório, que não capturam toda a gama da resposta imunológica do corpo. Mas, ainda assim, os resultados são alarmantes, apontam especialistasQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

"Todos os números demonstram que a pandemia está recuando em São Paulo, mas vamos optar pela precaução", acrescentou Doria.

Ao seu lado, Nunes alertou que no final de dezembro o Comitê Científico apresentará um novo relatório para rever a decisão.

Na terça-feira, o governo de São Paulo confirmou dois casos importados da variante ômicron, os primeiros no Brasil e na América Latina. No dia seguinte, registrou um terceiro caso.

O Brasil fechou suas fronteiras aéreas desde segunda-feira para seis países da África (África do Sul, Botsuana, Essuatíni, Lesoto, Namíbia e Zimbábue) para evitar a propagação da variante ômicron.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também recomendou ao governo proibir a entrada de estrangeiros vindos da Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia.

O Brasil acumula mais de 614.000 mortes desde o início da pandemia, o segundo país com mais mortes em números absolutos, depois dos Estados Unidos.

mls-val/raa/yow/aa

A subvariante BA.2 pode reinfectar quem já pegou a ômicron? .
A subvariante ômicron BA.1 infectou muitos brasileiros até janeiro. Agora, a BA.2 tem causado preocupação por ser mais contagiosa. Será que quem contraiu a primeira versão da cepa ômicron pode se reinfectar com a BA.2? © Diego Vara/REUTERS Estudo diz que proporção de casos da BA.2 subiu de 3,8% para 27,2% em apenas três semanas nos diagnósticos positivos Após a subvariante da ômicron BA.1 ter sido responsável pelo surto de covid-19 que ocorreu entre dezembro e janeiro e ainda ser predominante no Brasil, a BA.

usr: 0
Isto é interessante!