Mundo Covid-19 é alerta para encerrar discriminação de trabalhadores imigrantes, dizem ativistas

06:56  07 abril  2022
06:56  07 abril  2022 Fonte:   reuters.com

10 ativistas ambientais pacíficos passaram o Natal na cadeia no Reino Unido

  10 ativistas ambientais pacíficos passaram o Natal na cadeia no Reino Unido Dezoito ativistas ambientais foram presos no Reino Unido e, dentre eles, dez passaram o Natal na prisão. Os protestantes pacíficos foram mandados à cadeia por interromper processos judiciais, bloquear estradas e em um caso específico, subir em cima de um avião. Os membros do grupo Insulate Britain alegam que passaram 23 horas por dia na prisão. Alguns deles servem penas de até seis meses por desacato ao tribunal por violar liminares que proibiam o bloqueio de vias e outros crimes. Ao longo de setembro, ativistas ambientais bloquearam diversas estradas importantes de Londres, Manchester e Birmingham cerca de 19 vezes, enfurecendo motoristas e policiais.

Por Poppy McPherson e Mei Mei Chu

Trabalhadores imigrantes com Covid-19 em Cingapura © Reuters/EDGAR SU Trabalhadores imigrantes com Covid-19 em Cingapura

KUALA LUMPUR (Reuters) - A falta de mão de obra global e o tratamento ruim a trabalhadores imigrantes, exacerbados pela pandemia, deveriam servir para induzir governos a tratar sua força de trabalho estrangeira justamente, ao invés de vê-los como "ocupantes", disseram ativistas nesta quinta-feira.

Em um painel da conferência Reuters Next, ativistas laborais asiáticos disseram que a pandemia de coronavírus revela quantas economias não conseguem funcionar eficazmente sem trabalhadores importados de outros países, como as Filipinas e a região vietnamita do Mekong.

Biden deve suspender medida contra Covid usada para barrar imigrantes na fronteira

  Biden deve suspender medida contra Covid usada para barrar imigrantes na fronteira WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O governo Biden deve, nos próximos dias, anunciar o fim de uma medida contra a Covid que acabou sendo usada para conter a imigração via fronteira com o México. A regra, apelidada de "Título 42", se refere à uma cláusula da Lei de Saúde Pública que permite ao governo impedir a entrada de estrangeiros durante emergências sanitárias. No começo da pandemia, em março de 2020, o então presidente Donald Trump acionou a regra, que faz com que imigrantes em busca de asilo nos EUA sejam barrados na fronteira, antes mesmo de poderem fazer o pedido. Em muitos casos, a expulsão é feita horas após a captura, sem que o imigrante possa pleitear nada.

Ao mesmo tempo, porém, estes milhões de trabalhadores são discriminados nos países que os recebem, sendo forçados a morar em dormitórios apertados, separados da população geral e privados da proteção social e do acesso a informações sobre a Covid-19.

"A pandemia ressaltou uma série de problemas estruturais que já existem há muito tempo", disse Reiko Harima, coordenador regional da Rede de Migração do Mekong.

Em Cingapura, foram necessários fechamentos de fronteira que desencadearam uma falta de mão de obra grave para mudar o desequilíbrio de poder entre empregadores e trabalhadores imigrantes, disse Alex Au, vice-presidente da Trabalhadores Temporários Também Contam (TWC2).

Há tempos os trabalhadores imigrantes são tratados como uma força de trabalho invisível e vistos pelos países que os recebem como indignos de confiança e ruins para a economia, embora ocupem postos que os moradores não desejam, disseram os membros do painel.

Para acompanhar Reuters  Next: https://reutersevents.com/events/next

Universidade do Porto vai demitir professor após comentários xenófobos contra brasileiras .
LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) - A Universidade do Porto está prestes a concluir o processo de demissão de um professor acusado de fazer comentários discriminatórios, incluindo declarações xenofóbicas contra alunas brasileiras. Entre as frases proferidas estariam comentários como "as mulheres brasileiras são uma mercadoria" e "sabem o que é uma caçadeira? É aquela arma que os homens usam para matar as mulheres". Estudantes acusaram Pedro Cosme da Costa Vieira, da Faculdade de Economia, de incitação ao ódio e à violência, sobretudo contra mulheres, ciganos e imigrantes.

usr: 0
Isto é interessante!