Mundo EUA é maior poluidor com plásticos do mundo, segundo relatório

09:11  07 abril  2022
09:11  07 abril  2022 Fonte:   afp.com

Crise de energia complica a situação de uma fábrica de plástico

  Crise de energia complica a situação de uma fábrica de plástico Muito antes que o presidente russo Vladimir Putin iniciasse sua guerra contra a Ucrânia, Mosharraf Khalid enfrentava uma variedade cara, preocupante e implacável de problemas que atormentavam a cadeia de suprimentos global. Sua empresa, a Royal Interpack North America, produz embalagens plásticas para frutas frescas. No ano passado, suas matérias-primas ficaram rotineiramente presas por semanas em navios de contêineres que enfrentavam engarrafamentos no porto sobrecarregado de Long Beach, na Califórnia. Este mês, o negócio de Khalid foi atingido por outra variável confusa quando o presidente Joe Biden anunciou a proibição das importações de petróleo russo.

Os Estados Unidos são de longe o maior poluidor com resíduos plásticos do mundo, de acordo com um novo relatório apresentado ao governo federal nesta quarta-feira (1º) e que pede a adoção de uma estratégia nacional para enfrentar a crise crescente.

Um voluntário coletando resíduos de plástico na ilha de Etang de Berre, França © Nicolas TUCAT Um voluntário coletando resíduos de plástico na ilha de Etang de Berre, França

Os Estados Unidos contribuíram com cerca de 42 milhões de toneladas métricas (MMT) de resíduos plásticos em 2016, mais que o dobro da China e mais do que os países da União Europeia juntos, de acordo com o estudo.

Em média, cada americano gera 130 quilos de resíduos plásticos por ano, seguidos dos britânicos, com 99 quilos por ano, e dos sul-coreanos, com 88.

Entenda o que é despolimerização

  Entenda o que é despolimerização Despolimerização é o nome dado ao processo de degradação de polímeros em monômeros. Em outras palavras, ela consiste na quebra de uma macromolécula em moléculas mais simples que possuem a mesma fórmula molecular. A despolimerização também pode ser chamada de reciclagem química. A grande parte dos polímeros não sofre biodegradação, levando milhares de anos para se decompor na natureza e causando poluição e contaminação ambiental. Sendo assim, a despolimerização pode ser considerada parte da solução para a gestão de resíduos sólidos urbanos. No entanto, os processos de despolimerização exigem muita energia, o que os torna caros.

O relatório, intitulado "Reconhecimento do papel dos Estados Unidos nos detritos plásticos nos oceanos globais", foi encomendado pelo Congresso como parte da Lei Save Our Seas 2.0, aprovada em dezembro de 2020.

"O sucesso da invenção milagrosa dos plásticos no século XX também produziu uma enxurrada de resíduos plásticos em escala global, aparentemente para todos os lugares que olhamos", escreveu Margaret Spring, que presidiu o comitê de especialistas que compilou o relatório.


Video: Uber reativa trajetos compartilhados nos EUA (AFP)

A produção global de plástico aumentou de 20 milhões de toneladas métricas em 1966 para 381 MMT em 2015, um aumento de 20 vezes em pouco mais de meio século, de acordo com o relatório.

A atenção aos detritos oceânicos inicialmente se concentrou apenas em navios e fontes marinhas, mas agora se sabe que quase todo plástico em terra tem potencial para chegar aos oceanos por meio de rios e riachos, acrescenta o relatório.

A pesquisa mostrou que cerca de 1.000 espécies marinhas são suscetíveis a se enredar em plásticos ou ingerir microplásticos, que então chegam aos humanos através da cadeia alimentar.

No ritmo atual, a quantidade de plásticos descarregados nas águas marinhas pode chegar a 53 MMT por ano até 2030, cerca de metade do peso total dos peixes capturados nos oceanos anualmente.

Um dos motivos é que o crescimento da geração de plásticos é mais rápido do que o crescimento da reciclagem, o que faz com que cada vez mais plásticos acabem em aterros sanitários.

ia/caw/dg/dga/am

Honda HR-V para os EUA é registrado no Brasil. Será que vem? .
Baseado no Civic e com porte de Corolla Cross, SUV deve ser vendido também na Europa no lugar do CR-V Revelado no início de abril, o Honda HR-V para os Estados Unidos é bem diferente do carro que chegará ao Brasil no 2º semestre, por ser maior e baseado no Civic. Há muitas informações circulando por todo o mundo dizendo que este modelo, embora tenha sido feito pensando nos EUA, será global e posicionado logo abaixo do CR-V como um SUV médio mais acessível. E, para nossa surpresa, a marca japonesa já registra o carro no Brasil.

usr: 2
Isto é interessante!