Mundo Moçambique: Concluído desarmamento de membros da Junta militar da RENAMO

12:16  07 abril  2022
12:16  07 abril  2022 Fonte:   dw.com

Amnistia Internacional alerta para violência e abusos em Moçambique e Angola

  Amnistia Internacional alerta para violência e abusos em Moçambique e Angola Cabo Delgado surge como a situação "mais crítica" em Moçambique, no relatório anual sobre os Direitos Humanos no mundo. Em Angola, a Amnistia está preocupada com a violência policial, a liberdade de imprensa e a seca. © picture-alliance/dpa/W. Kumm Provided by Deutsche Welle A Amnistia Internacional (AI) classifica o conflito em Cabo Delgado, norte de Moçambique, como a situação "mais crítica" no país, na edição 2021/22 do relatório sobre o estado dos Direitos Humanos no mundo.

Os últimos 24 membros da Junta Militar da RENAMO foram desmobilizados em Murrupula. O anúncio foi feito, esta quarta-feira (01.12), pelo enviado pessoal do secretário-geral da ONU em Moçambique, Mirko Manzoni.

Provided by Deutsche Welle © Jinty Jackson/AFP/Getty Images Provided by Deutsche Welle

O enviado pessoal do secretário-geral da ONU e presidente do grupo de contacto para negociações de paz em Moçambique anunciou, esta quarta-feira (01.12), a desmobilização dos últimos elementos do grupo dissidente da RENAMO responsável por ataques armados no centro do país.

"Hoje, temos o prazer de informar que os últimos membros da Junta Militar da RENAMO foram desmobilizados em Murrupula, na província de Nampula. Este último grupo de 24 membros da Junta Militar concluiu a desmobilização e juntou-se agora aos demais participantes das atividades de desarmamento, desmobilização e reintegração em curso a nível nacional em Moçambique", refere Mirko Manzoni, em nota distribuída à comunicação social.

Massacre em Mianmar: “Há uma guerra contra toda a população”, afirma relator da ONU

  Massacre em Mianmar: “Há uma guerra contra toda a população”, afirma relator da ONU No último dia 24 de dezembro, um novo massacre em Mianmar chocou a comunidade internacional. Trinta e cinco pessoas, entre elas mulheres e crianças, foram encontradas mortas carbonizadas dentro de veículos queimados. Para Tom Andrews, o Relator Especial da ONU para Direitos Humanos na Birmânia, o exército birmanês implementa uma estratégia para reprimir a rebelião contra o golpe militar. Clea Broadhurt, da RFI Em entrevista à RFI, o relator da ONU conta que desde de fevereiro, quando foi dado um golpe de Estado no país, a comunidade internacional tem acompanhado um aumento de violência contra a população.

Mirko Manzoni, enviado pessoal do secretário-geral da ONU e presidente do grupo de contacto para negociações de paz em Moçambique © Romeu da Silva/DW Mirko Manzoni, enviado pessoal do secretário-geral da ONU e presidente do grupo de contacto para negociações de paz em Moçambique

A autoproclamada Junta Militar da RENAMO, um grupo dissidente da principal força política de oposição responsável por ataques armados no centro de Moçambique, perdeu o seu líder, Mariano Nhongo, a 11 de outubro, após 28 meses de contestação à liderança do principal partido de oposição e exigindo a renegociação do acordo de paz assinado em agosto de 2019.

Segundo o enviado pessoal do secretário-geral da ONU, no total, 85 membros daquele grupo entregaram as suas armas e juntaram-se ao processo de desarmamento, desmobilização e reintegração (DDR), no âmbito do acordo de paz.

Eleições em Moçambique: Elias Dhlakama critica a RENAMO e o DDR

  Eleições em Moçambique: Elias Dhlakama critica a RENAMO e o DDR Elias Dhlakama pede a convocação imediata do Conselho Nacional da RENAMO para começar já a discutir as autárquicas de 2023. Com críticas ao DDR, o irmão do ex-líder do partido teme o resultado das próximas eleições. © DW/A. Sebastião Elias Dhlakama: Elias Dhlakama pede uma reunião urgente do Conselho Nacional da RENAMO para definir diretrizes sobre as autárquicas, agendadas para outubro do próximo ano. Dhlakama, membro da comissão política nacional e irmão do antigo presidente do maior partido de oposição moçambicana, Afonso Dhlakama, estranha que, nos últimos quatros anos, o Conselho Nacional não se tenha reunido.

"O processo continuará a decorrer em Murrupula [província de Nampula] até à sua conclusão em meados de dezembro, estando previsto que no final do ano cerca de 63% de todos os beneficiários do DDR acolham o novo ano em casa, com as suas famílias e nas suas comunidades", acrescenta a nota.

O grupo de Mariano Nhongo, antigo líder de guerrilha da RENAMO, discordava dos termos do processo de DDR decorrente do acordo de paz assinado em 06 de agosto de 2019 entre o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o atual líder da Renamo, Ossufo Momade.

O entendimento foi o terceiro entre o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e a RENAMO, tendo os três sido assinados na sequência de ciclos de violência armada entre as duas partes.

No âmbito do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, mais de metade dos cerca de cinco mil guerrilheiros da RENAMO já foram abrangidos pelo DDR, sendo que alguns foram incorporados nas Forças de Defesa e Segurança moçambicanas.

por:content_author: Agência Lusa

Cabo Delgado: MDM defende soluções económicas e sociais para evitar recrutamentos .
Na abertura da 2ª sessão ordinária do partido, o presidente Lutero Simango afirmou que o combate ao terrorismo não deve estar concentrado na perspetiva militar. MDM deve indicar este domingo o seu secretário-geral. © Romeu Silva/DW Provided by Deutsche Welle O líder do partido Movimento Democrático de Moçambique (MDM) defendeu que o combate ao terrorismo em Cabo Delgado não deve estar concentrado na perspetiva militar, destacando a importância de "soluções económicas e sociais" para travar o recrutamento da juventude.

usr: 2
Isto é interessante!