Mundo Anvisa diz que vacinas seguem eficazes contra internação e morte por Covid

12:21  07 abril  2022
12:21  07 abril  2022 Fonte:   reuters.com

Ômicron: Maioria das vacinas provavelmente não impedirá infecção, mas pode evitar casos graves

  Ômicron: Maioria das vacinas provavelmente não impedirá infecção, mas pode evitar casos graves Maioria das evidências até agora se baseia em experimentos de laboratório, que não capturam toda a gama da resposta imunológica do corpo. Mas, ainda assim, os resultados são alarmantes, apontam especialistasQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

SÃO PAULO (Reuters) - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou nesta quarta-feira que as vacinas existentes contra a Covid-19 permanecem eficazes para evitar quadros graves da doença que levam à internação e à morte, após o surgimento da variante Ômicron do coronavírus.

Em nota, o órgão regulador disse que está em contato com os desenvolvedores de vacinas, que têm a obrigação de avaliar o impacto de novas variantes na eficácia dos imunizantes, e lembrou que os estudos neste sentido levam tempo.

A agência pediu ainda que a população se vacine contra a Covid e mantenha medidas de prevenção, como uso de máscara e distanciamento.

O que é preciso saber sobre a vacinação de crianças contra covid-19

  O que é preciso saber sobre a vacinação de crianças contra covid-19 Após Anvisa aprovar imunizante da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos, estados dão início à vacinação. Entenda como ocorre a imunização de pequenos pelo mundo e o que dizem órgãos e estudos. © Ringo Chiu/Zuma/picture alliance A vacina da Pfizer já foi aprovada para crianças menores em países como EUA e Canadá e na União Europeia A vacinação de crianças entre 5 e 11 anos de idade com o imunizante da Pfizer-BioNTech contra a covid-19 foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 16 de dezembro de 2021.

"As vacinas atuais permanecem efetivas na prevenção contra a Covid-19 e desfechos clínicos graves, incluindo hospitalização e morte", afirmou a Anvisa em comunicado.

"O momento é de cautela. A melhor coisa que a população pode fazer é ser vacinada ou receber o reforço do imunizante e manter as medidas de prevenção, como o uso de máscara, a higienização das mãos e o distanciamento social."

O órgão regulador disse ainda que mantém contato com agências internacionais correspondentes e que há expectativa de que, nas próximas semanas, sejam conhecidos dados sobre o impacto da Ômicron na eficácia das vacinas.

"A Anvisa mantém o compromisso de atuar juntamente com as autoridades internacionais e as empresas envolvidas para permitir que as atualizações nas vacinas, caso necessárias, sejam realizadas com agilidade, mantendo o perfil de qualidade, eficácia e segurança", afirmou.

Brasil ainda não tem vacinas da Pfizer para crianças; Estados dizem aguardar repasse

  Brasil ainda não tem vacinas da Pfizer para crianças; Estados dizem aguardar repasse Contrato assinado pela farmacêutica com o governo brasileiro em novembro inclui possibilidade de fornecimento de versões modificadas do imunizante. Governos estaduais aguardam doses para iniciar imunizaçãoQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

"A Anvisa está monitorando a situação e fará comunicados à população à medida que as informações forem apresentadas e avaliadas."

A Ômicron, que tem três casos confirmados no Brasil, tem gerado temores em todo o mundo de que a grande quantidade de mutações que tem na proteína spike do coronavírus, usada pelo vírus para infectar as células, possa significar que a variante escape da imunidade induzida por vacinas.

Alguns fabricantes de imunizantes, no entanto, afirmam que, embora seja possível que as vacinas existentes sejam menos eficazes contra a Ômicron, é provável que os imunizantes protejam os infectados pela nova variante contra quadros graves da Covid-19.

Especialistas sul-africanos afirmaram, até o momento, que os casos da Covid-19 provocados pela Ômicron foram amenos. Cientistas no geral alertam, ao mesmo tempo, que há muitas incertezas em torno da nova variante e são necessários estudos para responder questões como a eficácia das vacinas contra a variante.

(Reportagem de Eduardo Simões)

Anvisa avalia regularizar a vacina Spikevax conta a covid .
Agência se reuniu com representantes da Zodiac Produtos Farmacêuticos e do laboratório ModernaO imunizante em questão usa tecnologia de RNA mensageiro (mRNA) com instruções para produzir uma proteína do SARS-CoV-2. Ela, que não contém o vírus em si, já conta com registro definitivo nos Estados Unidos e com autorização emergencial da OMS (Organização Mundial da Saúde).

usr: 1
Isto é interessante!