Mundo Parlamento da Itália culpa Egito por morte de Regeni

17:07  07 abril  2022
17:07  07 abril  2022 Fonte:   ansabrasil.com.br

Senegal x Egito: escalação, desfalques e mais do jogo pelas Eliminatórias africanas 2022

  Senegal x Egito: escalação, desfalques e mais do jogo pelas Eliminatórias africanas 2022 Jogo da fase final Eliminatórias da Copa do Mundo acontece às 14h (de Brasília); confira o serviço da partida desta terça-feira (29)Após vencer primeiro duelo por 1 a 0, os egípcios têm a vantagem do empate.

(ANSA) - A comissão de inquérito criada pelo Parlamento da Itália para apurar a morte do pesquisador Giulio Regeni aprovou nesta quarta-feira (1º) um relatório que responsabiliza os "aparatos de segurança" do Egito pelo crime.

Além disso, o documento afirma que é hora de a Itália chamar o país africano a admitir "suas responsabilidades enquanto Estado, que são muito evidentes".

O relatório final da comissão chega em meio ao impasse no julgamento em contumácia de quatro agentes dos serviços secretos egípcios, que foi suspenso pelo Tribunal de Roma em outubro passado por não haver confirmação de que os réus foram notificados da acusação.

Guerra entre Sissoco e o seu partido: "MADEM-G15 está a provar do próprio veneno"

  Guerra entre Sissoco e o seu partido: Em um vídeo obtido pelo jornal britânico "The Sun", um homem mascarado e vestindo um capuz aparece segurando uma arma e dizendo que planejava assassinar a rainha Elizabeth 2ª por vingança. Acredita-se que o autor do vídeo é Jaswant Singh Chail, de 19 anos, que foi preso após invadir o castelo de Windsor na manhã do dia 25 de dezembro, onde vários membros da família real passavam o Natal.

"A responsabilidade do sequestro, da tortura e do assassinato de Giulio Regeni recai diretamente sobre os aparatos de segurança da República Árabe do Egito, principalmente sobre oficiais da Agência de Segurança Nacional, como foi minuciosamente reconstruído pela Procuradoria da República em Roma", diz a conclusão da CPI.

O documento afirma que o poder Judiciário do Egito se "entrincheirou de forma não apenas obstrucionista, mas também abertamente hostil e lesiva ao trabalho dos investigadores italianos".

"Até agora, a Itália percorreu legitimamente a via da cooperação judiciária, e é bom que insista nela apesar do boicote egípcio cada vez mais claro. Mas, em nível político, chegou a hora de chamar o Egito às suas responsabilidades enquanto Estado, que são muito evidentes", ressalta o relatório.

Cheiros antigos revelam segredos de tumba no Egito com mais de 3.400 anos

  Cheiros antigos revelam segredos de tumba no Egito com mais de 3.400 anos Cheiros antigos revelam segredos de tumba no Egito com mais de 3.400 anos (Foto: Leonardo Ramos/Unsp... Cheiros antigos revelam segredos de tumba n Tempestades históricas causam infestação de escorpiões no Egito Arraias e peixes-zebra são capazes de somar e subtrair, revela estudo Hungria decide destino da “democracia iliberal” de Orbán A tumba intacta, descoberta em 1906 em uma cidade perto de Luxor, no Egito, foi um momento marcante.

A comissão lembra que o Judiciário egípcio se recusou a fornecer o domicílio dos acusados, o que constituiria uma "verdadeira admissão de culpa da parte de um regime que parece ter considerado a cooperação como um instrumento dilatório".

"Está claro que a falta de colaboração das autoridades do Cairo se configura como uma objetiva obstrução ao natural decurso da Justiça italiana, algo que exige a tomada de uma posição política adequada", diz o texto.

O caso - O Ministério Público de Roma acusa o general Tariq Sabir e os coronéis Athar Kamel Mohamed Ibrahim, Uhsam Helmi e Magdi Ibrahim Abdelal Sharif de sequestro qualificado, homicídio qualificado e lesões corporais qualificadas, mas eles nunca responderam às notificações da Justiça italiana.

Como a legislação do país europeu impede o início de julgamentos quando não se tem certeza de que os acusados foram notificados, o MP tentou argumentar que a relevância midiática do caso e a ampla difusão dos nomes dos agentes superariam esse problema, mas o Tribunal de Roma decidiu mesmo assim suspender o processo.

Itália pode jogar a Copa do Mundo de 2022; entenda

  Itália pode jogar a Copa do Mundo de 2022; entenda Eliminada na respescagem pela modesta Macedônia, a Itália, de Jorginho e cia, quatro vezes campeã do Mundo, pode estar presente na Copa do Mundo deste ano, que será disputada no Qatar, com abertura e fase de grupos definidos. Apesar de te sido eliminada, Itália, no entanto, pode estar presente na Copa deste ano. Isso porque, de acordo com informações do jornal 'Bild', da Alemanha, essa possibilidade tem a ver com a participação do Irã na Copa de 22. Classificada há um bom tempo, a seleção iraniana disputou seu último jogo válido pelas eminatórias na última terça-feira, diante do Líbano.

Regeni vivia no Cairo, capital do Egito, para preparar uma tese sobre sindicatos independentes para a Universidade de Cambridge, mas desapareceu no dia 25 de janeiro de 2016. Ele havia sido visto pela última vez em uma linha de metrô, e seu corpo só foi encontrado mais de uma semana depois, com evidentes sinais de tortura.

O italiano frequentava organizações sindicais clandestinas e contrárias ao presidente autocrata Abdel Fattah al-Sisi, o que levantou a hipótese de crime político.

Segundo a acusação, os quatro agentes seguiam os passos de Regeni desde o fim de 2015 e o abordaram na noite de 25 de janeiro de 2016, no metrô do Cairo. Em seguida, teriam conduzido o pesquisador contra sua vontade para uma delegacia e, depois, para um edifício onde ele ficaria nove dias em cativeiro.

O MP diz que Regeni foi "seviciado durante dias", o que provocou "agudo sofrimento físico", inclusive por meio de "objetos escaldantes, chutes, socos, lâminas e bastões". Essas ações teriam causado "numerosas lesões traumáticas na cabeça, no rosto, no trato cérvico-dorsal e nos membros inferiores".

O torturador, de acordo com o Ministério Público, era Magdi Ibrahim Abdelal Sharif, também tido como autor material do homicídio. (ANSA).

Itália suspende pela 2ª vez julgamento por morte de Regeni .
Pesquisador foi brutalmente assassinado no Cairo em 2016    O julgamento já havia sido suspenso em outubro passado, devido à falta de confirmação de que os réus foram notificados sobre a acusação, mas voltou a ser paralisado nesta segunda-feira (11) e só vai ser retomado no próximo dia 10 de outubro.

usr: 1
Isto é interessante!