Mundo Chefe de polícia da Bolívia diz que não há mandado de prisão contra Morales

13:51  11 novembro  2019
13:51  11 novembro  2019 Fonte:   reuters.com

Rússia acusa oposição da Bolívia de desencadear onda de violência

  Rússia acusa oposição da Bolívia de desencadear onda de violência Rússia acusa oposição da Bolívia de desencadear onda de violênciaO presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou sua renúncia no domingo para reduzir a violência que atinge seu país desde o resultado polêmico da mais recente eleição, embora dizendo que fora vítima de um "golpe" e que enfrentava uma possível prisão tenha intensificado o receio de conflitos ainda maiores.

Não há mandado de prisão para o presidente da Bolívia , Evo Morales , disse um chefe de polícia boliviano no domingo, em comentários transmitidos O chefe de polícia adiantou que "a ordem foi emitida para os presidentes dos tribunais eleitorais Até ao momento, 25 mandados de prisão foram

O chefe de polícia adiantou que "a ordem foi emitida para os presidentes dos tribunais eleitorais Até ao momento, 25 mandados de prisão foram emitidos contra presidentes e membros dos diferentes Mandado de prisão contra Evo Morales ! A polícia e os militares estão a procurá-lo em Chapare

Presidente da Bolívia, Evo Morales, que anunciou sua renúncia após pressões da oposição e de militares © Reuters/CARLOS GARCIA RAWLINS Presidente da Bolívia, Evo Morales, que anunciou sua renúncia após pressões da oposição e de militares

LA PAZ (Reuters) - Não há mandado de prisão para o presidente da Bolívia, Evo Morales, disse um chefe de polícia boliviano no domingo, em comentários transmitidos em um canal de televisão local.

Morales, que renunciou no domingo em meio a conflitos resultantes da polêmica eleição de 20 de outubro, denunciara anteriormente no Twitter o que chamou de mandado policial "ilegal" para sua prisão, alegando que "grupos violentos" atacaram sua casa.

A renúncia de Morales ocorreu horas depois de o líder convocar novas eleições, pressionado por um relatório da Organização dos Estados Americanos (OEA), divulgado na madrugada de domingo, que indica “irregularidades” nas eleições.

A convocação de nova eleição foi rejeitada pela oposição, que pediu, junto às Forças Armadas, a renúncia do presidente.

Morales, que assumiu o poder em 2006, ganhou as eleições em 20 de outubro, mas a contagem dos votos foi suspensa inexplicavelmente durante quase um dia, o que provocou acusações de fraude e deflagrou protestos da oposição, greves e bloqueios de estradas no país.

(Por Daniel Ramos)

UE pede garantia de paz na Bolívia, mas presidente interina ameaça levar Morales à justiça .
A União Europeia (UE) pediu nesta sexta-feira (15) que o governo de transição da Bolívia garanta paz a segurança. A declaração conjunta foi feita no mesmo momento em que a presidente interina do país, Jeanine Áñez, ameaçou Evo Morales, caso o ex-chefe de Estado retorne ao país. "O objetivo imediato das autoridades de transição deve ser garantir a paz e a segurança no país e levá-lo a eleições rápidas", disse a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini. Em sua declaração, em nome dos 28 países da UE, a representante de Bruxelas afirma que esse novo pleito deve permitir que o povo "se expresse livremente".

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 0
Isto é interessante!