Mundo Morales diz que pode voltar para a Bolívia se o povo pedir

22:11  13 novembro  2019
22:11  13 novembro  2019 Fonte:   brasil.rfi.fr

Chefe de polícia da Bolívia diz que não há mandado de prisão contra Morales

  Chefe de polícia da Bolívia diz que não há mandado de prisão contra Morales Chefe de polícia da Bolívia diz que não há mandado de prisão contra MoralesMorales, que renunciou no domingo em meio a conflitos resultantes da polêmica eleição de 20 de outubro, denunciara anteriormente no Twitter o que chamou de mandado policial "ilegal" para sua prisão, alegando que "grupos violentos" atacaram sua casa.

Esta página não está disponível no momento. Às vezes, isso pode acontecer se você tiver problemas de conexão com a Internet ou estiver executando software/plug-ins que afetem o tráfego da Internet.

"Se meu povo pedir , estamos dispostos a voltar para apaziguar, mas é importante o diálogo nacional", disse Morales , acrescentando: "vamos voltar cedo ou tarde. Quanto antes melhor para pacificar a Bolívia ". Ele reiterou seu chamado a um diálogo nacional, no qual poderiam participar

  Morales diz que pode voltar para a Bolívia se o povo pedir © REUTERS/Edgard Garrido

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, que se exilou no México após ter renunciado, afirmou que poderia voltar para seu país se seus compatriotas pedirem. Ele também acusou a Organização dos Estados Americanos (OEA) de ter contribuído com sua saída do poder, que ele qualifica de "golpe de Estado”.

Apesar de ter aceitado a oferta de exílio da parte do governo mexicano, Morales não descarta a hipótese de voltar para seu país. "Se meu povo pedir, estamos dispostos a voltar para apaziguar, mas é importante o diálogo nacional", disse o ex-presidente, acrescentando: "vamos voltar cedo ou tarde. Quanto antes melhor para pacificar a Bolívia".

México denuncia "golpe" na Bolívia e reconhece Morales como presidente "legítimo"

  México denuncia México denuncia "golpe" na Bolívia e reconhece Morales como presidente "legítimo"O chanceler mexicano, Marcelo Ebrard, disse que o governo do presidente Andrés Manuel López Obrador não reconhecerá um governo de caráter militar na Bolívia.

O mandatário deposto da Bolívia , Evo Morales , declarou em entrevista na Cidade do México, que estaria disposto a voltar para a Bolívia Em entrevista ao jornal El País, Evo Morales confirma que estaria disposto a voltar à Bolívia sem ser "Faço um pedido para que não usem armas contra o povo . Pode recuperar a sua conta nos próximos 30 dias ao seguir o link enviado para o email que

Pedido acontece em meio a protestos após a questionada reeleição de Morales . Todos temos a obrigação de pacificar a Bolívia ". Mais tarde, a uma rádio, o presidente disse que não renunciará. As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie

Morares, que está no México desde terça-feira (12), criticou a postura da Organização dos Estados Americanos, depois que denunciou sérias irregularidades nas eleições de 20 de outubro que desencadearam a crise boliviana. "Infelizmente, a OEA aderiu a esse golpe de Estado. Eu recomendo aos novos políticos da América Latina: cuidado com a OEA. A OEA é neogolpista para mim", afirmou o líder da esquerda em entrevista à imprensa colombiana.

O ex-chefe de Estado também questionou a proclamação da senadora de direita Jeanine Añez como presidente interina na Bolívia, insistindo que a saída da crise deve ser constitucional. "A única saída é respeitar nossa Constituição, recuperar a democracia; a única saída é respeitar o povo e principalmente os movimentos sociais", acrescentou.

Nesse sentido, ele pediu às forças de segurança que não "disparem uma bala". "Equipei as Forças Armadas não contra o povo, mas para que defendam a pátria. Lamento muito que as Forças Armadas estejam agora do lado de um golpe de Estado", afirmou.

(Com informações da AFP)

"Devemos garantir novas eleições, se necessário com outros atores", diz Evo Morales à RFI .
Do México, o ex-presidente da Bolívia declarou em uma entrevista exclusiva à RFI que agora a prioridade é realizar novas eleições no país, mesmo que não participe delas. Por outro lado, Evo Morales rejeitou as acusações de "sedição" desta sexta-feira (22), do governo interino da Bolívia, e pediu garantias para retornar ao seu país. James Blears, correspondente da RFI no México “Fomos roubados do processo de mudança por enquanto, mas temos certeza de que isso está se recuperando. Por enquanto [é necessário] apenas garantir as novas eleições. E se necessário com outros atores políticos ”, disse Evo Morales à RFI em entrevista nesta quinta-feira (21).

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 0
Isto é interessante!