Mundo: O que disseram ao Congresso testemunhas que ouviram telefonema entre Trump e o presidente da Ucrânia - - PressFrom - Brasil

Mundo O que disseram ao Congresso testemunhas que ouviram telefonema entre Trump e o presidente da Ucrânia

00:20  20 novembro  2019
00:20  20 novembro  2019 Fonte:   bbc.com

Pelosi diz que Trump admitiu suborno; inquérito de impeachment se intensifica

  Pelosi diz que Trump admitiu suborno; inquérito de impeachment se intensifica Pelosi diz que Trump admitiu suborno; inquérito de impeachment se intensificaWASHINGTON (Reuters) - A presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, disse nesta quinta-feira que o presidente Donald Trump já admitiu ações que equivalem a suborno no escândalo da Ucrânia que está no cerne do inquérito de impeachment liderado pelos democratas.

Timothy Morrison, especialista em Ucrânia na Casa Branca, declarou ao Congresso que percebeu de maneira imediata o caráter extremamente sensível do diálogo telefônico entre Trump e o presidente da Ucrânia , Volodimir Zelenski, em 25 de julho. Na ligação, que teve a transcrição publica pela Casa

Presidente dos EUA diz que divulgação será completa e sem edições. Telefonema em que supostamente Trump pedia investigação contra filho de Joe O presidente da Ucrânia , Volodymyr Zelensky, com a delegação do país no debate geral da ONU nesta terça-feira (24), em Nova York.

Jennifer Williams e Alexander Vindman chamaram de 'incomum' e 'impróprio', respectivamente, o telefonema de Trump com presidente da Ucrânia© Reuters Jennifer Williams e Alexander Vindman chamaram de 'incomum' e 'impróprio', respectivamente, o telefonema de Trump com presidente da Ucrânia

Três testemunhas que escutaram em primeira mão o telefonema de 25 de julho entre Donald Trump e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, depuseram nesta terça-feira (19/11) perante o Comitê de Inteligência da Câmara de Representantes (deputados) dos EUA. E duas afirmaram considerar o teor do telefonema — o qual desencadeou o inquérito de impeachment contra Trump — "impróprio" e "incomum".

O tenente do Exército Alexander Vindman, veterano da Guerra do Iraque e principal especialista em Ucrânia do Conselho Nacional de Segurança dos EUA, afirmou que, ao escutar o telefonema, "eu sabia que teria de reportá-lo ao conselho jurídico da Casa Branca", em referência ao órgão encarregado de aconselhar os presidentes americanos quanto a questões legais da administração.

Presidente do Congresso dos EUA acusa Trump de "suborno" no caso ucraniano

  Presidente do Congresso dos EUA acusa Trump de Presidente do Congresso dos EUA acusa Trump de "suborno" no caso ucranianoA presidente da Câmara dos Representantes disse que o "depoimento devastador" dado por duas testemunhas na quarta-feira "corroborou as evidências de suborno de Trump" em suas pressões sobre a Ucrânia para ajudá-lo a prejudicar um adversário na reeleição em 2020.

Trump disse que permitirá a divulgação da transcrição e nega ter cometido algum erro. Logo após a fala de Pelosi, ele recorreu ao Twitter para se É improvável que o telefonema entre Trump e o presidente da Ucrânia tenha sido gravado, dizem especialistas. Segundo reportagem do jornal The

Nele, Vindman relata ter ouvido Trump , pessoalmente, pressionar o presidente da Ucrânia , Volodymyr Zelensky, durante uma conversa O militar é a primeira testemunha desta investigação que tenta estabelecer se Trump abusou de seu poder no polêmico telefonema de 25 de julho ao

  • Quem é a embaixadora que se diz ameaçada por Trump e testemunhou no processo de impeachment
  • Como um telefonema ouvido por acaso pode complicar Donald Trump

"Francamente, eu não conseguia acreditar no que eu estava escutando", declarou Vindman. "Houve provavelmente um elemento de choque de que, de certa forma, meu maior medo quanto a como a política perante a Ucrânia se desenrolaria estava de fato se desenrolando, com consequências significativas para a segurança nacional americana."

"É impróprio para o presidente dos EUA exigir que um governo estrangeiro investigue um cidadão americano e oponente político, especialmente em um país onde há, no mínimo, a suspeita quanto a se seria uma investigação imparcial e que haveria implicações significativas se isso se tornasse público", continuou o tenente.

Trump ataca ex-embaixadora na Ucrânia que depõe em inquérito sobre impeachment

  Trump ataca ex-embaixadora na Ucrânia que depõe em inquérito sobre impeachment Trump ataca ex-embaixadora na Ucrânia que depõe em inquérito sobre impeachmentTrump, alvo da investigação, disse que "tudo ficou mal nos lugares por onde Marie Yovanovitch passou", destacando que "é um direito absoluto do presidente dos EUA indicar embaixadores".

O telefonema aconteceu depois de Trump ordenar ao governo norte-americano que congelasse quase US$ 400 milhões de ajuda dos EUA à Ucrânia . Trump disse a Zelensky que o procurador-geral William Barr entraria em contato com ele sobre a reabertura da investigação sobre a empresa

O telefonema entre o presidente dos EUA, Donald Trump , e o seu homólogo ucraniano no centro da investigação de impeachment do Congresso foi Jennifer Williams, que estava ouvindo a ligação em 25 de julho, testemunhou que a insistência de Trump de que a Ucrânia realize investigações

"Sem dúvida resultaria em a Ucrânia perder o apoio bipartidário (dos EUA), minando a segurança nacional americana e fazendo avançar os objetivos estratégicos da Rússia na região."

A segunda testemunha do dia foi Jennifer Williams, assessora do vice-presidente Mike Pence, que disse ter achado o telefonema "incomum porque, em contraste com outros telefonemas presidenciais que eu havia acompanhado, esse envolvia uma discussão que parecia ser sobre uma questão de política interna (americana)".

Fotógrafos registram chegada de Kurt Volker e Tim Morrison; esta terça foi o terceiro dia de audiências públicas no processo de impeachment© Getty Images Fotógrafos registram chegada de Kurt Volker e Tim Morrison; esta terça foi o terceiro dia de audiências públicas no processo de impeachment

No telefonema em questão, Trump pediu a Zelensky que a Ucrânia investigasse Joe Biden, potencial candidato democrata nas eleições presidenciais de 2020, e seu filho Hunter Biden, que trabalhou em uma empresa ucraniana de energia.

Trump pede à Suprema Corte que impeça Congresso de obter seus registros financeiros

  Trump pede à Suprema Corte que impeça Congresso de obter seus registros financeiros Trump pede à Suprema Corte que impeça Congresso de obter seus registros financeirosWASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu nesta sexta-feira à Suprema Corte dos EUA que bloqueie uma decisão de tribunal inferior que ordena uma empresa de contabilidade a entregar seus registros financeiros a um painel do Congresso liderado pelos democratas, estabelecendo um grande conflito entre ramificações do governo.

Trump nega, porém, que tenha condicionado a liberação de ajuda militar para a Ucrânia à "Será que os democratas vão se desculpar depois de ver o que foi dito no telefonema com o presidente Segundo o documento liberado pela Casa Branca, Trump diz a Zelensky: " Ouvi dizer que você tinha

Image caption Trump diz que ligação com presidente ucraniano, mote de pedido de impeachment, foi 'totalmente apropriada'. A gota d'água para o movimento do Partido Democrata — que tem maioria na Câmara — foi uma ligação telefônica entre Trump e o presidente da Ucrânia , Volodymyr

Em troca, há suspeitas de que o presidente americano tenha retido apoio militar à Ucrânia — despertando a acusação de que ele teria usado seu poder para pressionar um país estrangeiro a influenciar nas eleições americanas. Trump afirma que a ligação foi "perfeita", que não houve pressão sobre a Ucrânia e que o processo de impeachment é uma "caça às bruxas" protagonizada pelos democratas.

Pelo Twitter, Trump atacou as duas testemunhas já ouvidas nesta terça, chamando-as de "Never Trumpers" — como se refere a republicanos que se opõem ao presidente do próprio partido.

Em seu depoimento, Vindman mencionou as críticas, chamando de "repreensíveis" os "ataques individuais" contra servidores públicos. "É natural discordar e entrar em debates acalorados, o que é costumeiro em nosso país desde os tempos dos fundadores (do Estado independente americano), mas não devemos recorrer a ataques pessoais", declarou.

A respeito da acusação de que o governo Trump teria retido assistência militar à Ucrânia em troca da investigação contra Biden, tanto Vindman quanto Williams afirmaram não ter conhecimento de nenhum oficial de segurança do país que apoiasse a decisão de reter os quase US$ 400 milhões que os EUA pretendiam ceder aos ucranianos para contrapor a influência russa no país.

Especialista em Ucrânia da Casa Branca diz que pedido de Trump sobre Biden foi impróprio

  Especialista em Ucrânia da Casa Branca diz que pedido de Trump sobre Biden foi impróprio Especialista em Ucrânia da Casa Branca diz que pedido de Trump sobre Biden foi impróprioWASHINGTON(Reuters) - Uma autoridade da Casa Branca que depôs nesta terça-feira no inquérito de impeachment contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que um telefonema que este fez para tentar levar a Ucrânia a investigar seus rivais políticos foi impróprio e repudiou ataques republicanos a testemunhas da investigação.

O processo. Cerca de dez testemunhas ouvidas pela Câmara até agora afirmaram ter havido um esforço por Trump e aliados para "pressionar a O processo de impeachment tem como foco central um telefonema de 25 de julho entre Trump e Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia , no qual

Duas semanas depois, Vindman disse que ouviu a ligação entre Trump e o presidente da Ucrânia , Vladimir Zelensky. No telefonema , que motivou a abertura do processo de impeachment, o republicano pediu para o colega ucraniano investigar a interferência nas eleições e Joe Biden e seu

Audiências públicas

Esta terça-feira foi o terceiro dia de audiências públicas relacionadas ao processo de impeachment contra Trump.

Nos dias anteriores, foram ouvidos outros funcionários e diplomatas envolvidos nas relações entre EUA e Ucrânia — esta vez, porém, foi a primeira em que depuseram em público pessoas que escutaram ao telefonema em primeira mão.

Também depõem nesta terça Kurt Volker, ex-assessor especial dos EUA à Ucrânia, e Tim Morrison, que também escutou o telefonema de 25 de julho.

Em seu depoimento prévio a portas fechadas, Volker havia afirmado que o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, comandava um canal extraoficial de comunicação diplomática com os ucranianos.

Ele reforçou a acusação em sua fala nesta terça, dizendo que Trump "claramente recebia informações de outras fontes (que não as diplomáticas), incluindo Giuliani", declarou.

Mas disse que não tinha "ciência de estar participando de um esforço para instar a Ucrânia a investigar Biden".

Morrison, por sua vez, havia afirmado no depoimento fechado que se sentia desconfortável com a ideia de os líderes ucranianos estarem envolvidos na política interna americana, e que também reportou o teor do telefonema ao conselho jurídico da Casa Branca.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=UXv_F9LqYtc

https://www.youtube.com/watch?v=22b31SOJang

https://www.youtube.com/watch?v=AGQw01AL0Bo

Ex-conselheira de Trump diz que teoria de ingerência da Ucrânia é "narrativa fictícia" .
Ex-conselheira de Trump diz que teoria de ingerência da Ucrânia é "narrativa fictícia"WASHINGTON (Reuters) - A ex-conselheira do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para assuntos relacionados à Rússia Fiona Hill pediu aos parlamentares do inquérito de impeachment aberto pela Câmara dos Deputados que não promovam "falsidades com motivações políticas" que joguem dúvidas sobre a interferência russa nas eleições norte-americanas de 2016.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 0
Isto é interessante!