Mundo Centrista Benny Gantz fracassa em formar governo e Israel pode ter novas eleições

23:07  20 novembro  2019
23:07  20 novembro  2019 Fonte:   brasil.rfi.fr

Rival de Netanyahu falha ao tentar formar governo

  Rival de Netanyahu falha ao tentar formar governo Benny Gantz, líder do Azul e Branco, não consegue fechar coalizão e país permanece em impasse político. Israel pode enfrentar terceira eleição em menos de um ano se nenhum legislador conseguir apoio para formar governo. © Reuters/A. Cohen Gantz (foto) disse que não iria fechar coalizão com o Likud enquanto o partido fosse liderado pelo premiê Netanyahu O principal líder da oposição de Israel, Benny Gantz, comunicou nesta quarta-feira (20/11) ao presidente do país, Reuven Rivlin, que não foi capaz de formar uma coalizão de governo.

  Centrista Benny Gantz fracassa em formar governo e Israel pode ter novas eleições © REUTERS/Amir Cohen

O líder do partido centrista israelense Azul e Branco, Benny Gantz, anunciou nesta quarta-feira (20) ao presidente do país sua incapacidade para formar o novo governo. A decisão pode acarretar a convocação de uma nova eleição em Israel, a terceira em um ano.

“Eu fiz de tudo para tentar formar um governo de união nacional”, declarou Gantz durante uma coletiva de imprensa em Tel Aviv. O líder centrista falou com os jornalistas depois de ter comunicado ao presidente israelense, Reuven Rivlin, que “era incapaz de formar” o gabinete.

Nas últimas eleições nacionais no país, em setembro, nenhum partido obteve maioria nas urnas. Inicialmente, o atual primeiro-ministro, o conservador Benjamin Netanyahu, foi indicado para tentar costurar uma coalizão, mas fracassou. O presidente israelense confiou então a tarefa a Benny Gantz, que assim como seu adversário político não conseguiu aliados suficientes.

Netanyahu é indiciado por corrupção, fraude e abuso de poder

  Netanyahu é indiciado por corrupção, fraude e abuso de poder Netanyahu é indiciado por corrupção, fraude e abuso de poder .A denúncia foi apresentada pelo procurador-geral do Estado, Avichai Mandelblit, após uma investigação que durou mais de dois anos. Ao todo, Netanyahu foi incriminado em três casos. O primeiro diz respeito à suspeita de ter recebido presentes de empresários em troca de favores.No segundo, o premier é acusado de beneficiar o jornal Yediot Ahronot para obter uma cobertura positiva.

O ex-chefe do Exército israelense tinha duas opções para obter a maioria necessária de 61 deputados: ou convencia o líder do partido nacionalista Israel Beitenou, Avigdor Lieberman, a aceitar uma coligação com a esquerda, apoiada pelos partidos árabes; ou se aliava ao partido conservador Likoud de Netanyahu.

Missão impossível

Após semanas de negociações, Lieberman finalmente descarou qualquer possibilidade de acordo nesta quarta-feira, último dia do prazo que Gantz tinha oficialmente para compor o gabinete. E Netanyahu não aceitou de maneira alguma a principal exigência feita pelo líder centrista. Em caso de coalizão com o bloco conservador liderado pelo Likoud, haveria uma rotação no comando do governo e Gantz exigia ser o primeiro chefe do novo gabinete.

Netanyahu é indiciado por corrupção, fraude e abuso de poder

  Netanyahu é indiciado por corrupção, fraude e abuso de poder O fotógrafo Nathan Hopkins captou um momento fofo entre uma mãe e o seu filhote canguru durante uma visita a Lucky Bay, na Austrália Ocidental. O vídeo mostra a mãe acariciando o seu filho e dando bastantes beijinhos.

“Encontrei um muro composto por perdedores (das eleições) que impediu os cidadãos israelenses de se beneficiar de um governo sob a minha direção”, criticou abertamente o líder centrista. Segundo ele, “Netanyahu privilegiou seus interesses pessoais”.

O presidente pode, agora, dar três semanas para que os deputados israelenses encontrarem outros nomes capazes de formar um governo. Rivlin quer tentar tudo antes de convocar a terceira eleição em um ano.

Tanto em abril, quanto em setembro, os eleitores não deram uma vitória clara nem a Gantz, nem a Netanyahu que segue sendo o primeiro-ministro do país até a resolução do impasse. A sentença sobre o processo de corrupção envolvendo o premiê conservador, esperada para o início de dezembro, pode complicar ainda mais a situação política em Israel.

Bolívia promulga lei que convoca novas eleições, sem Evo Morales .
Assinada neste domingo, por Áñez . Congresso aprovou texto no sábado. Data das eleições não foi definidaO projeto de lei impossibilita uma nova candidatura do ex-presidente exilado, Evo Morales. Além disso, cancela o pleito realizado em 20 de outubro de 2018, o qual elegeu Morales para seu 4º mandato. A eleição foi classificada como fraudulenta pela OEA (Organização dos Estados Americanos).

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 0
Isto é interessante!