Política Sem ouvir Ministério da Saúde, Planalto gasta R$4,9 mi em campanha contra quarentena

20:52  27 março  2020
20:52  27 março  2020 Fonte:   reuters.com

Coronavírus: presidente da Portuguesa revela dificuldades para fazer exames

  Coronavírus: presidente da Portuguesa revela dificuldades para fazer exames 'Já tentamos em alguns locais e e os laboratórios estão praticamente exclusivos para o Ministério da Saúde', disse Marcelo Barros, que viu a Lusinha enfrentar o Fla, sábado últimoO jogo, mesmo sendo realizado com portões fechados, contrariou o bom senso. Horas depois, Jorge Jesus, aliás, testou "positivo fraco" para a doença que culminou em uma pandemia - e, agora, aguarda um último exame conclusivo, de quarentena em sua residência.

Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante entrevista coletiva em Brasília © Reuters/UESLEI MARCELINO Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante entrevista coletiva em Brasília

BRASÍLIA, 27 Mar (Reuters) - O governo federal não consultou o Ministério da Saúde sobre a campanha "O Brasil não pode parar", que custou 4,9 milhões de reais e convoca os brasileiros a não deixarem o trabalho durante a epidemia de coronavírus, contrariando recomendação de especialistas e a despeito de medidas de restrição adotadas por Estados, disseram duas fontes com conhecimento da situação.

Acompanhe nossa cobertura sobre o coronavírus.
Últimas notícias, perguntas e respostas e como se cuidar.

De acordo com as fontes ouvidas pela Reuters, o material foi encomendado e aprovado pelo Palácio do Planalto, sem passar pelo Ministério da Saúde. Segundo uma delas, o ministério não foi consultado e nem sequer avisado de que o material iria para o ar a partir de quarta-feira, como ocorreu.

Hospital usado por Bolsonaro diz não ter sido notificado sobre decisão de divulgar exames

  Hospital usado por Bolsonaro diz não ter sido notificado sobre decisão de divulgar exames Hospital usado por Bolsonaro diz não ter sido notificado sobre decisão de divulgar exames"Até o momento, o Hospital das Forças Armadas (HFA) não recebeu qualquer notificação por parte da Justiça", disse o ministério, em nota. Segundo a Defesa, "todas as notificações positivas para covid-19 estão sendo informadas como preconizado".

O texto da campanha vai na contramão do preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e mesmo do que diz o ministério, apesar de o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ter suavizado suas posições sobre as medidas de isolamento social nos últimos dias para diminuir o conflito com o presidente Jair Bolsonaro, que as atacou em pronunciamento em cadeia nacional nesta semana e em declarações públicas.

A empresa brasiliense iComunicação Integrada foi contratada por 4.897.855,00 reais na última terça-feira, com dispensa de licitação, para "disseminar informações de interesse público à sociedade, por meio de desenvolvimento de ações de comunicação".

A dispensa foi publicada no Diário Oficial de quinta-feira, sob os nomes do secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, que está de licença médica desde que foi contaminado pelo coronavírus durante viagem presidencial a Miami no início do mês, e da secretária de Gestão e Controle da Secom, Maria Lúcia Valadares e Silva.

Brasil tem 57 mortes por coronavírus, de acordo com Ministério da Saúde

  Brasil tem 57 mortes por coronavírus, de acordo com Ministério da Saúde Segundo dados atualizados do Ministério da Saúde, o aumento de óbitos foi de 24% em um dia

O argumento legal é o artigo da lei de licitações que prevê a dispensa de licitação "nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços". Na semana passada, o Congresso aprovou declaração de calamidade devido à pandemia de coronavírus.

A primeira peça da campanha foi veiculada na conta do governo federal no Instagram, na quarta-feira. Em um fundo amarelo aparece a hashtagh "#O Brasil Não Pode Parar". Embaixo, uma explicação de que a quase totalidade dos óbitos no mundo seria de idosos, e que os demais deveriam voltar à normalidade respeitando um distanciamento social.

Nesta sexta-feira, um vídeo de 1 minuto e 20 segundos da campanha começou a circular em redes de mensagens de aliados do Planalto, ainda sem definição de quando e onde começará a ser veiculado oficialmente.

'Estamos com três epidemias simultâneas', diz secretário do Ministério da Saúde

  'Estamos com três epidemias simultâneas', diz secretário do Ministério da Saúde Segundo Wanderson de Oliveira, além do novo coronavírus, dengue e influenza também preocupam

Sobre imagens de ambulantes, feirantes e outros trabalhadores, com uma música sombria, um texto lido repete que para várias categorias de trabalhadores, "O Brasil não pode parar".

"Para quem defende a vida dos brasileiros e as condições para que todos vivam com qualidade, saúde e dignidade, o Brasil definitivamente não pode parar", encerra o narrador.

O mote é o mesmo defendido com insistência por Bolsonaro desde seu pronunciamento, na última terça-feira, quando convocou os brasileiros a voltarem ao trabalho, criticou governadores por estarem adotando medidas que considera muito duras e voltou a chamar o coronavírus de "gripezinha".

Bolsonaro defende o chamado "isolamento vertical", em que apenas as pessoas mais vulneráveis --idosos e pessoas com doenças crônicas-- fiquem isoladas, enquanto o restante volte ao trabalho. Com a insistência do presidente, Mandetta disse na quarta-feira que o ministério iria estudar a medida.

Incentivados por Bolsonaro, alguns governadores mais alinhados com o governo federal, como o de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), o de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), e o de Rondônia, Marcos Rocha (PSL), anunciaram que irão reabrir o comércio.

Na noite de quinta, em Balneário Camboriú (SC), houve uma carreata em defesa da abertura dos negócios. O vídeo foi publicado pelo presidente em suas redes sociais. No Twitter, a hashtag #OBrasilNãoPodeParar está nos primeiros lugares nos tópicos do dia. 

Nesta sexta-feira, o PSOL entrou com uma representação contra o governo federal na Procuradoria-Geral da República questionando a campanha.

_____________________

Ministério corrige informação sobre primeiro caso de coronavírus no Brasil .
Ministério corrige informação sobre primeiro caso de coronavírus no BrasilDe acordo com a pasta, a paciente mineira, que havia sido anunciada ontem como a primeira infectada, começou a apresentar os sintomas em 25 de março e não em 23 de janeiro, como informado em coletiva de imprensa.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 2
Isto é interessante!