Política Guedes diz que não deixará governo ‘em seu momento mais grave’

05:10  29 março  2020
05:10  29 março  2020 Fonte:   poder360.com.br

A angústia dos informais

  A angústia dos informais A angústia dos informais

Gravou vídeo no Rio de Janeiro. Está em isolamento social. Desemprego pode piorar crise. Ele gravou 1 vídeo –posteriormente apagado– em casa, no Rio de Janeiro, onde está em isolamento. O chefe da equipe econômica do governo tem 70 anos e está no grupo de maior risco para contrair a

Melhores momentos da impressionante participação de Paulo Guedes , Ministro da Economia do Governo Bolsonaro, no Fórum Econômico Mundial 2020 em Davos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que as reformas estruturantes vão alavancar a economia do país após a crise desencadeada pelo novo coronavírus © Sérgio Lima/Poder360 18.mar.2020 O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que as reformas estruturantes vão alavancar a economia do país após a crise desencadeada pelo novo coronavírus

O ministro da Economia, Paulo Guedes, rechaçou neste sábado (28.mar.2020) a especulação sobre a possibilidade dele deixar o cargo no governo. Segundo ele,“é conversa fiada total” a ideia de que deixaria o governo justo no “momento mais grave”, considerando a pandemia da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus que já deixou 114 mortos no Brasil.

Acompanhe nossa cobertura sobre o coronavírus.
Últimas notícias, perguntas e respostas e como se cuidar.

“Não tem isso de sair. Como é que eu vou sair? Como é que eu vou deixar o país no momento mais grave, sabendo que eu tenho condições de ajudar. Estou 24 horas por dia dedicado a isso”, disse em videoconferência com o presidente da XP Investimentos, Guilherme Benchimol, com o estrategista-chefe e chefe de análise da XP, Fernando Ferreira, com o economista sênior da XP, Marcos Ross, e outros sócios da empresa no YouTube.

Insatisfação com economia leva a queda na popularidade de Bolsonaro, diz pesquisa XP

  Insatisfação com economia leva a queda na popularidade de Bolsonaro, diz pesquisa XP Insatisfação com economia leva a queda na popularidade de Bolsonaro, diz pesquisa XPBRASÍLIA (Reuters) - Uma mudança de percepção quanto aos rumos da economia levou a uma queda na aprovação do presidente Jair Bolsonaro para o menor patamar já registrado desde o início do governo, de acordo com pesquisa XP/Ipespe nesta sexta-feira.

Ele disse que os benefícios, somados, contemplam 700 bilhões de reais em um Nos bastidores, porém, apesar de defender publicamente o isolamento, Guedes avisou ao presidente Bolsonaro que a economia só aguenta a paralisação até o próximo dia 7 de abril sem efeitos permanentes.

"O momento é grave , não cabe politizar, mas opor-se aos infectologistas passa dos limites", acrescentou. O tucano ainda ainda deixou implícita a possibilidade de Bolsonaro cair do cargo se não abandonar as declarações que minimizam o risco do coronavírus.

“Esquece. Isso [de sair do governo] é conversa fiada total. O presidente tem total confiança no meu trabalho. Eu tenho confiança de que o presidente quer consertar essa parte econômica. Nós fomos atingidos por 1 meteoro, mas nós sabemos sair da formação, vamos combater o meteoro e no ano que vem vamos retomar as reformas estruturantes, aliás, esse ano mesmo vamos retomar”, afirmou.

O ministro afirma que essa especulação, somada a outra sobre ele ter covid-19, se deu porque ele teve que ir para o Rio de Janeiro após ser despejado de hotel no qual ficava em Brasília. Guedes reafirmou que seu teste deu negativo.

“O que aconteceu é que eu fui despejado do hotel. Falo isso com a maior franqueza do mundo. Eu estava no hotel lá em Brasília. Estou lá desde o momento que eu cheguei, aí aconteceu o seguinte, fecharam a academia. Tudo bem, eu ando ao ar livre. Fecharam o restaurante. Tudo bem, eu tomo o café no quarto. Aí, de repente, eu peço o café no quarto e digo: ‘cadê meu suco de laranja?’.  Me falam: ‘Doutor, não tem laranja, acabou a laranja. E, por falar nisso, no final de semana o hotel fecha’. Então eu fui despejado. No dia 1º o hotel fecha”, falou.

Guedes cita ‘erro na redação’ de MP que suspendia salários por 4 meses

  Guedes cita ‘erro na redação’ de MP que suspendia salários por 4 meses Guedes cita ‘erro na redação’ de MP que suspendia salários por 4 meses

Diário do isolamento social: João Castelo-Branco guarda cachecóis, desmonta estúdio e fala do momento 'impactante' do SportsCenter. Sem Olimpíadas, Honda diz que vai focar 100% no Botafogo; torcida pede extensão de contrato. ESPN 1:21 5 horas atrás. #SBrasilDeCasa.

O governo é uma constelação. Só pode dar certo se todo mundo puder brilhar em sua pasta. Ao dizer que as decisões de Bolsonaro não alcançam Goiás, o sr não coloca em xeque a autoridade Nesse momento você tem que governar com muita solidariedade, transparência total dos seus

O ministro disse ainda que após comunicar ao presidente Jair Bolsonaro sobre sua situação, o chefe do Executivo cedeu a residência oficial da Presidência da República localizada na Granja do Torno, 1 bairro localizado no Lago Norte, em Brasília. O ministro disse que vai ficar no local a partir desta 2ª feira (30.mar.2020) junto com sua família.

“Brasília detesta 1 vácuo. Então, quando dá 1 vácuo e você some lá uma semana, ai começa todo mundo: ‘Ah, ele caiu. Ele caiu’. Não existe isso. O presidente tem confiança no meu trabalho. Para você ter uma ideia, quando eu falei para o presidente que eu estava sem hotel, ele falou: ‘Você vai ficar na Granja do Torto'”, disse.

“Então amanhã eu estou indo embora pra Brasília e vou ficar na Granja do Torto. Não tem hotel, ele me arranjou 1 lugar. Falou: ‘Inclusive, se você quiser, faz o isolamento da sua família’. Então minha mulher vai subir também, vai subir minha família, vai subir cachorro, vai subir todo mundo para ficarmos todos juntos lá enquanto eu trabalho e mergulho nisso aí”, afirmou.

‘Estou no governo e fico no governo’, diz Paulo Guedes; Bolsonaro publica foto

  ‘Estou no governo e fico no governo’, diz Paulo Guedes; Bolsonaro publica foto ‘Estou no governo e fico no governo’, diz Paulo Guedes; Bolsonaro publica foto“Esses boatos não têm o menor sentido exceto tentar inventar história contra o governo que está trabalhando para superar a crise. Estou no governo e fico no governo“, afirmou o ministro ao Poder360.

Governo “pedalou” processos para não pagar benefícios previdenciários, denuncia o jornalista Fernando Brito em seu blog Tijolaço. Em um contexto de crise econômica, desemprego e falta de investimentos, governo desperdiça a oportunidade de dialogar com líderes no Fórum Econômico

Vídeo mostra momento de desabamento de prédio em Fortaleza. Um vídeo mostra o momento em que o Edifício Andrea desaba em Fortaleza, na manhã desta terça-feira (15). O desabamento foi registrado por câmeras de segurança na rua Tomás Acioli, no Bairro Dionísio Torres

TRABALHANDO 24H POR DIA

Guedes afirmou que não tem aparecido na mídia porque tem trabalhado 24 horas por dia em cima das medidas adotadas pelo governo para o combate ao coronavírus e para evitar o impacto econômico no páis.

“Como eu estou trabalhando em quase todas as pontas, praticamente não tem nada de economia que não passe por mim. Tem que passar por mim. Então, como eu estou cuidando desse troço todo, eu não consigo ficar indo para dar satisfação”, disse.

‘CRISE DA COVID-19 NÃO ASSUSTA’

O ministro afirmou que o governo vem atuando implementando medidas para evitar o desemprego e que os brasileiros voltem à “dinâmica do endividamento em bola de neve”. Disse que o impacto econômico da crise dada pela propagação do coronavírus e da paralisação das empresas “não assusta” o governo.

Segundo Guedes, o governo já tinha 1 programa de crise de emergência fiscal, no entanto, a intenção era de que esses recursos foram liberados ao longo de 8 anos.

“Por que nada disso não nos assusta? Porque nós já tínhamos 1 programa de crise. Isso é muito importante. Nós já tínhamos 1 programa de crise de emergência fiscal. O pacto federativo redesenha uma transformação do Estado brasileiro exatamente para levar o dinheiro pra ponta. Então, no ano passado, nós já tínhamos mandado 11 bilhões da cessão onerosa, esse ano nós estamos mandando 88 bilhões”, disse.

Medidas insanas

  Medidas insanas Medidas insanas

O presidente contou ter “confiado” no texto que sua equipe de governo lhe repassara para assinar. Naquele momento , a hashtag #BolsonaroGenocida já tinha disparado. O presidente disse , ainda segundo os auxiliares, que não era possível deixar os trabalhadores sem qualquer proteção em uma

São Paulo – O diplomata americano de origem alemã, Henry Kissinger, hoje com 95 anos, se manifestou sobre o estado atual do mundo, que considera enfrentar um momento “muito, muito grave ” e que a presidência de Donald Trump marca o fim de uma era.

“Isso ja estava no nosso programa, só que era pra ser 1 programa de transferir devagar ao longo de 8 anos.Vamos ter que dar uma despejada geral de recursos, mas pra nós filosoficamente é simples, nós vamos jogar o dinheiro pra ponta. Temos que jogar para os Estados se defenderem”, completa.

O ministro afirma que até o momento o governo já liberou R$ 500 bilhões para a crise. “Liberamos R$ 200 bilhões de compulsórios pelo Banco Central, R$ 150 bilhões para a Caixa, mais o BNDES. Mais R$ 147,7 bilhões de antecipações de benefícios e de deferimentos desse recolhimento de impostos ou do FGTS”, disse.

Afirmou que, no momento, o governo vai liberar recursos para impedir o desemprego e ajudar as famílias. A fiscalização sobre quem precisa de fato ou não, se dará depois. “Em vez de ter uma fila enorme onde você vai processando documento por documento pra ver se há fraude, vamos fazer o contrário. Bota todo mundo pra dentro, solta os recursos para todo mundo e nós já temos uma medida provisória de fraude que vai fazer o filtro. Então, se lá na frente desse 1,2 milhão, 100 mil forem fraudes, não tem problema, a gente remove lá na frente, mas não vamos correr o risco de deixar 1,1 milhão por que haviam 100 mil de fraudes“, afirmou.

Guedes disse que vai haver “1 deficit extraordinário de deficit primário”. Segundo ele, isso não será 1 problema. A estimativa que é o governo gaste em 3 meses R$ 750 bilhões para evitar maiores impactos no país.

Guedes diz que auxílio emergencial de R$ 600 é 'maior rede de proteção social' do País

  Guedes diz que auxílio emergencial de R$ 600 é 'maior rede de proteção social' do País Guedes diz que auxílio emergencial de R$ 600 é 'maior rede de proteção social' do País

“Essa onda passa. Nós vamos ter 3 ou 4 meses de impacto. Já vai passar. A coisa da saúde já está mais ou menos mapeada. O choque chega, sobe, escala, fica 2, 3 meses lá em cima e desce. Quando ele descer, nós temos que ter condições de começar a sair da crise rapidamente. Então nós vamos lançar uma ponte de R$ 750 bilhões no momento. O valor pode subir se for o caso”, disse.

“Nós criamos as defesas contra o coronavírus, mas nós vamos pagar em 1 ano essas despesas do coronavírus. Nós não vamos empurrar esse custo para as futuras gerações, nós não vamos deixar voltar a dinâmica do endividamento em bola de neve. Nós vamos pagar isso e nós temos formas de pagar”, disse, ao citar as vendas de reservas do Banco Central.

O ministro disse que é preciso enfrentar a 1ª onda desencadeada pelo novo coronavírus, uma vez que a 2ª pode vir mais forte, podendo colocar o Brasil em “uma depressão econômica”.

RETOMADA DA ECONOMIA COM REFORMAS

O ministro defendeu a realização das reformas “estruturantes”, administrativa e tributária e o pacto federativo, para assim que se passe a crise do novo coronavírus no país.

“Na hora que nós aprofundando as reformas, todo mundo vai perceber o seguinte: que esse foi 1 ano em que se gastou muito, mas as reformas estruturais garantem o crescimento e a retomada está logo ali na frente. E, mais do que tudo, além das [medidas] emergenciais, nós precisamos das [reformas] estruturantes, porque as estruturantes é que garantem que nós não vamos degenerar num ciclo de responsabilidade fiscal”, afirmou.

CONFLITO COM PAÍSES

Guedes disse que tem se equilibrado entre medidas solicitadas pelos outros ministros do governo Bolsonaro. Relatou que houve 1 certo conflito com a Itália, Macedônia, Bolívia e Paraguai, quando o Brasil deixou por 1 momento de exportar respiradores, máscaras hospitalares e ventilador pulmonar.

“Me liga o Mandetta e diz: ‘Vai na Receita e bloqueia todas as exportações de produtos médicos e hospitalares e vamos reduzir para zero a tarifa de produtos médicos e hospitalares’. Nós fizemos isso. Pra vocês terem ideia, custa 7,1 bilhões a redução de IOF de importação de 105 produtos médicos. Nós zeramos isso pra poder trazer respirador, máscaras, ventilador pulmonar”, falou.

“Nós fizemos isso e 6 dias. Depois o ministro Ernesto Araújo me liga e diz que nós estamos com problema de relações exteriores, com a Itália, Macedônia, Bolívia, Paraguai… Que nós interrompemos as exportações de máscaras, remédios. E eu tenho que dizer: ‘Brasil acima de tudo’. Os brasileiros não vão ficar sem respiradores. Eu tenho que fingir que não ouvi o pedido deles. Mas aí a crise se agrava, o presidente interfere e diz tudo bem, segura ventilador pulmonar, mas máscara deixa ir, vamos ajudar a Itália”, relatou.

_______________________________________

Relação entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia chega ao seu pior momento .
Relação entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia chega ao seu pior momentoÉ 1 pouco mais tranquilo o contato entre o Posto Ipiranga e o presidente interino do Senado, Antonio Anastasia (PSD-MG). Mineiro, Anastasia não quer guerra com ninguém.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 1
Isto é interessante!