Política PGR vai dar aval a mais 30 dias para inquérito e pedir depoimento de Bolsonaro

17:30  01 junho  2020
17:30  01 junho  2020 Fonte:   estadao.com.br

Apreender celular de Bolsonaro pode ter 'consequências imprevisíveis', diz Heleno

  Apreender celular de Bolsonaro pode ter 'consequências imprevisíveis', diz Heleno Ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) afirmou nesta sexta-feira considerar 'inconcebível' o pedido de apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro e que, caso aceito, poderá ter "consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional". A solicitação foi apresentada por parlamentares e partidos da oposição em notícia-crime levada ao Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito do inquérito que apura suposta interferência do presidente na Polícia Federal.

A Polícia Federal pediu ao ministro Celso de Mello, relator da investigação que apura se o presidente Jair Bolsonaro buscou interferir politicamente na PF, mais 30 dias para concluir o inquérito . Mello determinou nesta sexta-feira, 29, que a Procuradoria-Geral da República ( PGR ) deve ser ouvida

BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal pediu mais 30 dias de prazo para concluir as investigações do inquérito que investiga se o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime ao supostamente tentar, segundo o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, interferir no comando da corporação, segundo

BRASÍLIA - A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai concordar com o pedido da Polícia Federal para prorrogar por 30 dias as investigações do inquérito sobre a suposta tentativa do presidente Jair Bolsonaro de interferir politicamente na corporação. Segundo o Estadão apurou, o procurador-geral da República, Augusto Aras, também vai pedir que Bolsonaro preste depoimento aos investigadores, mas por escrito.

O depoimento por escrito é uma das prerrogativas do cargo de presidente da República, apontam procuradores. O então presidente Michel Temer, por exemplo, encaminhou ao Supremo um papel com resposta aos questionamentos feitos pelos investigadores no âmbito do inquérito dos Portos. Temer acabou denunciado no caso por corrupção e lavagem de dinheiro.

Bolsonaro diz que jamais entregará celular e critica ministro do STF

  Bolsonaro diz que jamais entregará celular e critica ministro do STF Bolsonaro diz que jamais entregará celular e critica ministro do STF"Um ministro do STF querer o telefone do presidente da República, por causa de fake news, tá de brincadeira comigo", disse Bolsonaro, acrescentando que os Poderes são independentes e precisam saber o seu limite.

A Polícia Federal pediu mais 30 dias de prazo para concluir as investigações do inquérito que investiga se o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime ao supos. Até o momento, uma série de depoimentos foi tomada e também tornado público um vídeo, por determinação de Celso de Mello

A campanha de Bolsonaro terá três dias para se manifestar à Justiça Eleitoral. O ministro também é relator de um inquérito que investiga atos antidemocráticos que ocorreram em abril Se a chapa Bolsonaro -Mourão for cassada ainda neste ano pelo TSE, novas eleições deverão ser convocadas

O presidente Jair Bolsonaro e o procurador-geral da República, Augusto Aras © Dida Sampaio/Estadão O presidente Jair Bolsonaro e o procurador-geral da República, Augusto Aras

A decisão final sobre a prorrogação do “inquérito Moro x Bolsonaro” será do relator do caso, ministro Celso de Mello. Na última sexta-feira, o decano pediu que a PGR se manifestasse sobre o pedido da Polícia Federal, o que ainda não ocorreu. O ministro se aposenta em novembro deste ano, quando completa 75 anos, abrindo a primeira indicação que Bolsonaro poderá fazer para o tribunal.

Ditadura

Em mensagem reservada enviada a interlocutores no WhatsApp, Celso de Mello comparou o Brasil à Alemanha de Hitler e disse que bolsonaristas “odeiam a democracia” e pretendem instaurar uma “desprezível e abjeta ditadura”. Procurado pela reportagem, o ministro alegou ao Estadão que a manifestação foi “exclusivamente pessoal”, “sem qualquer vinculação formal ao STF”.

PF intima Paulo Marinho e chefe de gabinete de Flavio Bolsonaro a depor

  PF intima Paulo Marinho e chefe de gabinete de Flavio Bolsonaro a depor PF intima Paulo Marinho e chefe de gabinete de Flavio Bolsonaro a deporAmbos serão ouvidos com base no inquérito que investiga se o presidente Jair Bolsonaro interferiu indevidamente na PF. Em 17 de maio, Marinho afirmou que o filho 01 do presidente soube por 1 delegado que Fabrício Queiroz seria investigado na operação Furna da Onça –antes que ela fosse deflagrada.

A PGR deve pedir que o presidente Jair Bolsonaro seja ouvido, mas ainda não há data para isso acontecer. Ministério da Saúde vai ampliar adoção da cloroquina para uso de pacientes iniciais da covid-19 - Продолжительность: 2:21 Jornal da Record 1 508 просмотров.

Apesar da negativa de Bolsonaro , ministros reconhecem que fala do presidente em vídeo foi direcionada à PF e a Moro. Especialistas avaliam se depoimento de Moro prejudica Bolsonaro | AQUI NA BAND - Продолжительность: 18:07 Aqui na Band 411 848 просмотров.

O tom usado pelo decano surpreendeu colegas do STF, que apontam que a fala deu munição ao Palácio do Planalto e abriu brecha para o presidente da República apontar até mesmo a suspeição do ministro na condução do caso. Integrantes da Corte chegaram a suspeitar que o comentário fosse “fake news”.

Uma fonte do governo, no entanto, avalia que seria difícil o STF declarar a suspeição de Celso de Mello – caberia aos próprios colegas de Celso analisarem a postura do decano, um dos ministros mais respeitados e admirados no tribunal. A suspeição, nesse sentido, serviria mais para marcar uma posição política do Palácio do Planalto.

Após a divulgação do comentário de Celso, o ministro Gilmar Mendes, do STF, pediu “ponderação e cuidado” em meio a um domingo marcado por protestos contra e a favor do governo. “A gente não deve acender fósforo para saber se existe gasolina no tanque”, disse Gilmar. “O momento recomenda ponderação e cuidado para todos."

Em entrevista ao Estadão publicada em agosto do ano passado, Celso de Mello disse que Bolsonaro “minimiza perigosamente” a importância da Constituição e “degrada a autoridade do Parlamento brasileiro”, ao reeditar o trecho de uma medida provisória que foi rejeitada pelo Congresso no mesmo ano. “Ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade suprema da Constituição da República”, afirmou.

Defesa de Sara Winter pede adiamento de depoimento na PF .
Defesa de Sara Winter pede adiamento de depoimento na PF"Não tivemos acesso à integralidade dos autos, diferentemente do que disse o ministro do STF Alexandre de Moraes", afirmou o advogado Bertoni Barbosa de Oliveira. "É fake news", completou o defensor, se referindo às informações prestadas pelo ministro. Na noite da última segunda-feira (1º/6), Moraes publicou em seu Twitter uma mensagem dizendo que "foi autorizado integral conhecimento dos autos aos investigados no inquérito que apura 'fake news', ofensa e ameaças a integrantes do STF, ao estado de direito e à democracia".

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 3
Isto é interessante!