Política: 7 conclusões após os protestos pró-Bolsonaro - - PressFrom - Brasil

Política7 conclusões após os protestos pró-Bolsonaro

17:55  27 maio  2019
17:55  27 maio  2019 Fonte:   bbc.com

Presidente do PSL diz que manifestações pró-Bolsonaro são 'sem sentido', mas válidas

Presidente do PSL diz que manifestações pró-Bolsonaro são 'sem sentido', mas válidas Presidente do PSL diz que manifestações pró-Bolsonaro são 'sem sentido', mas válidas

A BBC News Brasil listou sete conclusões sobre as manifestações. Convocadas após os protestos contra o bloqueio de verbas para a educação que levaram milhares de pessoas às ruas, os protestos pró - Bolsonaro , apesar de menores, mostraram que o país segue dividido.

O repórter Ricardo Senra discute o saldo das manifestações a favor do governo Bolsonaro em todos os estados brasileiros no domingo, 26 de maio. Curtiu?

7 conclusões após os protestos pró-Bolsonaro© EPA A reforma da Previdência foi defendida pela maiorida dos manifestantes na avenida Paulista

Milhares de pessoas foram às ruas em várias cidades brasileiras no domingo, 26, apoiar o governo Jair Bolsonaro. Não foram manifestações gigantes, mas expressivas. Os setores que foram às ruas tiveram como alvo preferencial o chamado "centrão", grupo de parlamentares de partidos de centro e centro-direita, e demonstraram apoio aos projetos dos ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Paulo Guedes (Economia).

Os atos foram convocados em resposta aos protestos realizados em 15 de maio contra os bloqueios anunciados no Orçamento da Educação.

AO VIVO | Manifestantes fazem atos pró-Bolsonaro em várias cidades

AO VIVO | Manifestantes fazem atos pró-Bolsonaro em várias cidades AO VIVO | Manifestantes fazem atos pró-Bolsonaro em várias cidades

7 conclusões após os protestos pró - Bolsonaro

7 conclusões após os protestos pró - Bolsonaro de 26/05 - Продолжительность: 32:36 BBC News Brasil 22 732 просмотра. Em São Paulo, a reforma da Previdência foi amplamente defendida nos carros de som do protesto e pelos manifestantes ouvidos pela BBC News Brasil.

  • Como estão as investigações sobre Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro?
  • Manifestações não foram grandes o suficiente para Bolsonaro vencer crise, avaliam analistas políticos

Inicialmente apoiados por Bolsonaro e seus filhos, os protestos de domingo tinham uma pauta difusa. Na semana anterior, circularam nas redes sociais mensagens pedindo o fechamento do STF e postagens sobre a manifestação estavam sendo acompanhadas pela hashtag #vamosinvadirocongresso no Twitter.

Ante a repercussão negativa, principalmente na classe política e mesmo entre governistas, as bandeiras dos atos passaram a se concentrar em apoio à Reforma da Previdência e em projetos de Moro e Guedes.

Bolsonaro desistiu de ir ao ato e desencorajou a presença de seus ministros. No domingo, fez uma série de tuítes apoiando os protestos.

Atos pró-Bolsonaro serão realizados em pelo menos 12 cidades do exterior

Atos pró-Bolsonaro serão realizados em pelo menos 12 cidades do exterior Maior parte dos protestos nos EUA. Presidente apoia as manifestações

Manifestações realizadas neste domingo, 26 de maio, em dezenas de cidades em apoio ao presidente Jair Bolsonaro não bombaram nem fracassaram, na análise de 7 conclusões após os protestos pró - Bolsonaro de 26/05 - Продолжительность: 32:36 BBC News Brasil 23 890 просмотров.

Teerã afirmou que a calma voltou ao país depois de vários dias de manifestações e de violência, que começaram em 15 de novembro após o anúncio do aumento do preço da gasolina, em plena crise econômica causada pelo restabelecimento e endurecimento das sanções americanas contra o Irã.

"Há alguns dias atrás, fui claro ao dizer que quem estivesse pedindo o fechamento do Congresso ou STF hoje estaria na manifestação errada. A população mostrou isso. Sua grande maioria foi às ruas com pautas legítimas e democráticas, mas há quem ainda insista em distorcer os fatos", escreveu.

A BBC News Brasil listou sete conclusões sobre as manifestações.

1 - Não foram gigantes, mas foram expressivas

Havia uma grande expectativa em relação à quantidade de pessoas que compareceriam às manifestações, principalmente por causa de divisões na direita no curso das convocações - por causa de pautas consideradas radicais, grupos como o MBL e deputados do partido governista PSL como Janaina Paschoal se opuseram aos atos - e pelo recuo de Bolsonaro, que decidiu não ir.

7 conclusões após os protestos pró-Bolsonaro© EPA Protestos a favor do presidente Jair Bolsonaro (PSL) levaram milhares de manifestantes às ruas

O resultado: por um lado, os atos não foram gigantes; eles perdem na comparação com as manifestações contra os cortes de verba na educação e dos protestos pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2015. Por outro, as milhares de pessoas que foram às ruas mostraram que o presidente ainda conta com uma expressiva base de apoio que vai às ruas, apesar da queda em sua popularidade nos primeiros meses de governo.

Bolsonaro diz que pautas defendidas nas manifestações foram legítimas

Bolsonaro diz que pautas defendidas nas manifestações foram legítimas 'Há quem distorça os fatos', disse .

DUBAI (Reuters) - Milhares de apoiadores do establishment clerical do Irã se reuniram em Teerã nesta segunda-feira, acusando os Estados Unidos e Israel de instigarem os protestos antigoverno mais violentos em mais de uma década na República Islâmica.

Os protestos também apoiavam a reforma ministerial do governo Bolsonaro, com Bolsonaro fala em 'recado' para quem temia 'velha política'. Neste domingo, por volta de 20h40, 156 BELÉM, 10h22 : Ato pró - bolsonaro chega à avenida Nazaré no centro de Belém — Foto: Fabiano Villella / TV Liberal.

7 conclusões após os protestos pró-Bolsonaro© Agência Câmara Rodrigo Maia virou alvo preferencial dos manifestantes deste domingo, 26

2 - Centrão vira alvo preferencial da direita

"Tudo o que o 'centrão' faz é contra o Brasil. Eles passam qualquer votação na frente só para prejudicar o Bolsonaro", afirmou à BBC News Brasil o confeiteiro Valdir dos Santos Vieira, 37 anos, que foi ao protesto na avenida Paulista, em São Paulo.

A avaliação não foi só de Valdir - o chamado "centrão" foi o principal alvo de crítica nos protestos pelo Brasil, tomando o lugar do tradicional "pixuleco" contra o ex-presidente Lula, por exemplo. O "centrão" é como são chamados os parlamentares de partidos de centro e centro-direita, como Democratas, Solidariedade, PP, PR, PSD, PTB, entre outros.

Esse grupo de deputados foi personificado no deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, alvo de muitos xingamentos e faixas. Paradoxalmente, Maia é o principal articulador pela Reforma da Previdência, um dos projetos que o governo Bolsonaro tenta aprovar no Congresso.

3 - Crise com o Congresso persiste

Analistas dizem que o tamanho dos protestos não foi suficiente para que Bolsonaro supere a crise que vive com o Congresso, apesar de terem mostrado que o presidente ainda tem "bala".

Manifestações pró-Bolsonaro ocorrem pelo país neste domingo

Manifestações pró-Bolsonaro ocorrem pelo país neste domingo Grupos pró-Bolsonaro defendem propostas como as reformas ministerial e da Previdência e pacote anticrime

Manifestantes pró - bolsonaro e moro fracassaram. Samuel Borelli. Загрузка Representando o grande fiasco que é o Governo Bolsonaro e a figura política de Sergio Moro, a derrota da direita vai se Fomos no protesto pró - Bolsonaro saber o quanto os manifestantes

E depois de meio ano de protestos nas ruas, os manifestantes pró -democracia querem aproveitar essa oportunidade incomum de se expressar nas urnas para O movimento de protesto começou em junho em rejeição a de um projeto de lei para autorizar as extradições para a China continental.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a exaltação de Bolsonaro aos atos que criticaram duramente o "centrão" pode ter até aumentador a crise com o Congresso. Os posts do presidente teriam irritado parlamentares.

Os cinco meses de administração Bolsonaro têm sido marcados por uma relação difícil com o Congresso, já que o presidente não construiu uma base de apoio ao seu governo sob a justificativa de implementar uma "nova política", sem "toma lá dá cá" ou seja, sem envolver a distribuição de cargos na máquina federal. Por isso, tem enfrentado dificuldade para aprovar diversos projetos.

Mas, segundo analistas, os protestos de domingo, chamados em parte para pressionar pela aprovação desses projetos, não foram grandes o suficiente para assustar o Congresso.

"Nitidamente, o movimento tinha objetivo de constranger o Congresso. Se fossem dois milhões de pessoas na rua, certamente o Congresso ficaria intimidado, mas como ficou aquém do esperado pelos organizadores acaba contribuindo para piorar a relação", disse à BBC News Brasil o cientista político da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Geraldo Tadeu Monteiro. "Acho que a crise vai persistir porque não há, por parte do governo, nenhum projeto para construção de uma base."

Outras análises apontam para um certo impulso que Bolsonaro pode ter ganhado com os atos: "Protestos pró-governo neste domingo parecem ter dado uma força política ao presidente", avaliou o Eurasia Group, consultoria de risco político dos EUA, dizendo também que o capital político do presidente se mantém "relativamente robusto".

Bolsonaro promove algazarra autoritária, diz Folha em editorial

Bolsonaro promove algazarra autoritária, diz Folha em editorial De acordo com a Folha, Instituições impediram Bolsonaro de engrossar o coro de manifestações anômala

Hong Kong, 24 nov (EFE).- Os cidadãos de Hong Kong foram às urnas neste domingo em número recorde para uma eleição para os conselhos distritais que medirá o peso político do movimento pró -democracia após quase seis meses de protestos nas ruas nessa região administrativa especial

#GLOBOLIXO RECEBE PROTESTOS APÓS TENTAR ASSOCIAR BOLSONARO AO CASO MARIELE - Продолжительность: 5:26 Douglas Aguiar Bolsonaro publica vídeo de garoto chamado de 'imbecil' por portal da Globo - Продолжительность: 19:20 Folha Política 1 161 027 просмотров.

4 - Racha da direita sai das redes e chega às ruas

Outro alvo dos manifestantes foram membros da própria direita, concretizando um movimento que já tinha tomado as redes na semana anterior, com as duras críticas feitas ao líder do Movimento Brasil Livre (MBL), o deputado federal Kim Kataguiri (DEM).

Kataguiri havia se posicionado contra os protestos deste domingo, 26, por considerar que apoiavam pautas radicais, como o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. Nos atos em São Paulo, o MBL foi chamado de "Movimento Bumbum Livre" pela multidão; e Kataguiri, de "traidor". O MBL foi um dos principais impulsionadores das manifestações que apoiaram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

7 conclusões após os protestos pró-Bolsonaro© Agência Câmara Kataguiri, líder do MBL, também foi criticado pelos manifestantes; ele havia condenado os atos por seu tom autoritário

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) e a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP), que também haviam se posicionado contra os atos, também foram alvos. Doria havia classificado o ato como "inútil" e "inadequado".

5 - Exaltados, Moro e Guedes têm projetos endossados

Os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Justiça, Sergio Moro, tiveram seus projetos exaltados. Havia um amplo apoio nos atos à Reforma da Previdência tocada por Guedes e também ao pacote anticrime proposto por Moro.

No Twitter, Moro também publicou mensagem em apoio aos protestos. "Festa da democracia. Povo manifestando-se em apoio ao Pr Bolsonaro, Nova Previdência e ao Pacote anticrime. Sem pautas autoritárias. Povo na rua é democracia. Com povo e Congresso, avançaremos. Gratidão."

Bolsonaro e Flávio se reúnem com corregedor do CNJ no Planalto

Bolsonaro e Flávio se reúnem com corregedor do CNJ no Planalto Bolsonaro e Flávio se reúnem com corregedor do CNJ no Planalto

Além disso, durante o protesto na Capital houve conversa sobre possibilidade de greve na UFSC durante a próxima semana, mas ainda sem nenhuma Na maior cidade do Norte catarinense, o protesto contra o governo Bolsonaro ocorreu no próprio desfile cívico, na avenida Beira Rio.

Bogotá, 26 Nov 2019 (AFP) - O presidente da Colômbia, Iván Duque, convocou para terça-feira uma reunião com o líderes dos protestos contra seu governo, que nesta segunda (25) completam cinco dias nas ruas do país. "Amanhã, o presidente se reunirá com representantes da greve nacional"

Em São Paulo, a reforma da Previdência foi amplamente defendida nos carros de som do protesto e pelos manifestantes ouvidos pela BBC News Brasil. "A reforma é o que o país mais precisa agora", afirmou o médico Heitor Oliveira.

7 conclusões após os protestos pró-Bolsonaro© AFP Ministro da Economia de Bolsonaro, Paulo Guedes, e ministro da Justiça, Sergio Moro, tiveram seus projetos exaltados

Os líderes do ato repetiram o discurso do governo e de parte dos atores econômicos de que a reforma é primordial para fazer a economia andar nos próximos anos.

6 - STF também é atacado, mas sem radicalismo anunciado

Mensagens contra o Supremo Tribunal Federal (STF), inclusive apoiando seu fechamento, circularam na semana anterior aos protestos. Nos atos em si, o STF também foi alvo, mas em geral apenas com críticas e não com reivindicações mais extremas.

No protesto em São Paulo, o STF era um dos alvos preferenciais, com vaias e até pedidos de impeachment. Os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes foram xingados, às vezes com palavras de baixo calão.

O STF "está de brincadeira", afirmou o consultor Ricardo Gerhard. "Eles conseguem votar contra as próprias leis."

Para o médico Heitor Oliveira, o Supremo "não se dá ao respeito". "Você vê ministro que vive na ponte-aérea Brasil-Lisboa. Outro que faz palestra em empresa privada ou participa de festas com advogados", afirma.

"Se os ministros vivem batendo boca entre eles, por que um cidadão comum não pode questioná-los?".

Já o confeiteiro Valdir dos Santos Vieira cita uma licitação do Supremo para a compra de vinhos e lagostas, pleito que chegou a ser questionado na Justiça, mas acabou liberado. "Os caras comem lagosta e o povo passando fome?", diz.

7 - País segue dividido

Convocadas após os protestos contra o bloqueio de verbas para a educação que levaram milhares de pessoas às ruas, os protestos pró-Bolsonaro, apesar de menores, mostraram que o país segue dividido.

Em 2015, o Brasil viu suas ruas sendo tomadas com protestos ora de esquerda, ora de direita. Um novo protesto contra o governo, marcado para dia 30, mostra que novamente essa polarização pode ficar mais escancarada.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=DyyuHeLLDLI

Leia Mais

MEC diz que professores e pais não podem divulgar protestos.
MEC diz que professores e pais não podem divulgar protestos

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 1
Isto é interessante!