PolíticaBolsonaro editou 27% mais decretos do que Lula no mesmo período no poder

15:10  17 setembro  2019
15:10  17 setembro  2019 Fonte:   brasil.elpais.com

Bolsonaro passará por nova cirurgia de até três horas

Bolsonaro passará por nova cirurgia de até três horas Presidente vai se licenciar do cargo por cinco dias e não três, como previsto inicialmente . O procedimento será realizado no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo. O presidente chega à capital paulista ainda neste sábado (7) e a previsão é que ele já passe a noite no hospital. A partir de domingo (8), o vice-presidente Hamilton Mourão assume oficialmente o governo. A previsão é que Bolsonaro retome o cargo ainda no hospital, enquanto estiver internado, mas somente após um período inicial de recuperação. Ao todo, ele deve permanecer no hospital por até dez dias.

Também cotejamos os decretos executivos de Bolsonaro com os Projetos de Decretos Legislativos (PDLs) da Câmara dos Deputados, que têm por A primeira delas é o número consideravelmente superior de decretos executivos no início de governo Bolsonaro , 323, em comparação a Lula , 253

Следующее. Claudio Tognolli: Bolsonaro está aparelhando a PF - Продолжительность: 8:41 Pânico Jovem Pan 28 289 просмотров. Major Olimpio: Bolsonaro mudou de direção e eu que sou o traíra? João Amoêdo responde - Продолжительность: 3:22 Pânico Jovem Pan 27 106 просмотров.

Bolsonaro editou 27% mais decretos do que Lula no mesmo período no poder© Adriano Machado (REUTERS) Jair Bolsonaro, durante o desfile de 7 de Setembro.

Completados oito meses de mandato do presidente Jair Bolsonaro, a relação entre seu governo e o Congresso Nacional continua marcada pela incerteza. Com poucas indicações partidárias, o presidente abriu mão de organizar uma maioria governista no Legislativo e tem apostado na coincidência entre sua agenda econômica e aquela defendida pela maioria dos parlamentares, como no caso da reforma da Previdência, ao longo do primeiro semestre. Há indícios, contudo, de que a mesma coincidência não se dará em outros temas.

Bolsonaro editou 27% mais decretos do que Lula no mesmo período no poder
App Microsoft Notícias
Baixe Agora
Publicidade para Android e iOS

Com o intuito de analisar as relações entre Legislativo e Executivo nos primeiros meses do governo Bolsonaro, o Observatório do Legislativo Brasileiro (OLB) levantou os decretos executivos originados, isto é, originados no Planalto, e os comparou com aqueles editados no mesmo período dos primeiros mandatos de Lula e Dilma. Também cotejamos os decretos executivos de Bolsonaro com os Projetos de Decretos Legislativos (PDLs) da Câmara dos Deputados, que têm por finalidade sustar atos normativos do Executivo, nesse mesmo período.

Augusto Aras diz ter alertado Bolsonaro: ‘não vai poder mandar e desmandar’

Augusto Aras diz ter alertado Bolsonaro: ‘não vai poder mandar e desmandar’ Será sabatinado em 25 de setembro

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta-feira (25) o decreto que revoga o horário de verão. A assinatura ocorreu durante cerimônia no Palácio do Planalto. Segundo o presidente, a medida segue estudos que analisaram a economia de energia no período e como o relógio biológico da população

Auxilio emergencial coloca @Jair Bolsonaro e Congresso na condição mútua de reféns. A colunista Maria Cristina Fernandes publica suas análises políticas

Decretos executivos são instrumentos normativos de que dispõe a Presidência da República e que não precisam de aprovação do Legislativo, servindo para regulamentar leis e dispor sobre a organização da administração pública. Recorrer a decretos é estratégia frequente de governos que almejam maior autonomia em relação às maiorias congressuais. Por sua vez, os Projetos de Decretos Legislativos podem sustar esses atos normativos do Executivo e indicar, assim, tensão entre os dois poderes.

Nosso levantamento traz pistas importantes sobre o tema. A primeira delas é o número consideravelmente superior de decretos executivos no início de governo Bolsonaro, 323, em comparação a Lula, 253, e Dilma, 131, no mesmo período de seus primeiros mandatos. É possível, entretanto, que esse número elevado decorra de mudanças de natureza regulatória promovidas por um governo com programa radicalmente distinto daqueles de seus antecessores. Em 2003, primeiro ano do mandato petista, o número de decretos também foi elevado. Ainda assim, é importante frisar que Bolsonaro editou 27% mais decretos do que Lula no mesmo período.

Bolsonaro ficará mais 4 dias longe da presidência por decisão médica

Bolsonaro ficará mais 4 dias longe da presidência por decisão médica O presidente Jair Bolsonaro (PSL) ficará afastado do cargo por mais quatro dias, seguindo decisão médica. Com isso, o vice Hamilton Mourão fica no posto até terça-feira. A previsão era que Bolsonaro reassumisse a Presidência nesta sexta-feira, 13, mas os médicos orientaram maior período de descanso. Bolsonaro segue se alimentando por sonda e com visitas […]

Дата премьеры: 27 апр. 2020 г. Fique em casa! Se proteja nesses tempos estranhos de quarentena. Vai passar mais rápido se a gente for esperto com a gente e mais gentil com o próximo! Siga o Marcelinho nas redes sociais ( do Erik)

Este vídeo é um uso justo de acordo com a lei de direitos autorais dos EUA, porque não é comercial e de natureza transformadora, não usa mais do que o necessário, e não tem efeito negativo no mercado para o trabalho original.

Ao observar quantos desses decretos foram questionados por Projetos de Decretos Legislativos, identificamos que, nos primeiros mandatos, foram alvos de PDLs apenas dois decretos de Lula e nenhum de Dilma, enquanto 32 decretos de Bolsonaro foram questionados por deputados.

Vale lembrar que esses projetos precisam ser aprovados pelo Congresso por maioria simples para que sejam transformados efetivamente em decretos legislativos. Apenas dois decretos executivos de Bolsonaro foram derrubados ou revogados por conta do Legislativo: o que modifica a regulamentação do porte de armas no Brasil (rejeitado pelo Senado) e outro que altera a regulamentação da Lei de Acesso à Informação (rejeitado pela Câmara). Os dois não chegaram a ser suspensos pelo Congresso, pois o poder executivo os revogou ou modificou antes que sua tramitação fosse totalmente concluída, dada a iminência da derrota no parlamento.

Em Paris, Dilma Rousseff denuncia misoginia de ataques a Brigitte Macron e pede desculpas

Em Paris, Dilma Rousseff denuncia misoginia de ataques a Brigitte Macron e pede desculpas A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff, participou neste sábado (14) da Festa da Humanidade, evento organizado pelo jornal de esquerda L’Humanité em La Courneuve, na região metropolitana de Paris. Em seu debate, o mais aguardado da noite, Dilma criticou os recentes ataques à primeira-dama francesa, Brigitte Macron, e à ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet. Ao falar das "agressões" feitas por membros do governo de Jair Bolsonaro, e pelo próprio presidente brasileiro, contra Brigitte Macron e Michelle Bachelet, Dilma Rousseff ressaltou o caráter misógino das declarações. "Peço desculpas e manifesto a solidariedade das mulheres do Brasil", disse a ex-chefe de Estado.

Será que o ex-presidente Lula disse mesmo há poucos dias durante um discurso que foi melhor que Getúlio Vargas durante seus mandatos e que, caso seja eleito

Lula publicou um vídeo ontem nas redes sociais criticando o governo Bolsonaro e o preço da carne. Foi o suficiente para bater o desespero no governo.

O recurso a PDLs como estratégia para oferecer resistência ao Planalto foi muito mais frequente em 2019 do que nos meses inaugurais dos primeiros mandatos dos presidentes petistas. A quantidade de projetos dessa natureza com a finalidade de sustar decretos do Executivo é de 134 no primeiro ano de Bolsonaro, contra nove de Lula e nenhum de Dilma, novamente no mesmo período de seus primeiros mandatos.

Veja mais no MSN Brasil:
  • Caso Lula será um dos primeiros julgamentos de Aras (Correio Braziliense)
  • Senado vota projeto que abre brecha para caixa 2 (Estadão)
  • Temer: 'Jamais apoiei ou fiz empenho pelo golpe' (Estadão)
  • Bolsonaro diz que Carlos tem razão em postagem polêmica (Estadão)

O número de PDLs com finalidade de sustar decretos executivos (134) é maior que o número de decretos executivos questionados (32). Isso porque um mesmo decreto executivo pode ser alvo de PDLs de diversos parlamentares. Foi o que aconteceu com o Decreto 9785, que versava sobre o porte de armas e recebeu 20 PDLs de autoria diversa. Contudo, quase sempre esses PDLs são protocolados por deputados da oposição. No caso de Lula, cinco foram de autoria dos principais partidos oposicionistas, PSDB e PFL, enquanto apenas um foi de um partido que participou do leque de alianças do primeiro ano de governo petista, o PDT. Os demais tiveram origem em partidos que eventualmente ingressaram na base governista, como PPB e PMDB, mas que até então não o haviam feito. Já no governo Bolsonaro, 129 dos 134 PDLs que propõem sustar decretos executivos têm origem na oposição.

Lava Jato denuncia Lula e irmão por corrupção

Lava Jato denuncia Lula e irmão por corrupção Lava Jato denuncia Lula e irmão por corrupção

Será mesmo que poderemos encontrar alguma SOLUÇÃO para o Brasil dentro desse Sistema "Democrático" em que estamos inseridos? Inscreva- se no Canal

Os decretos [ editar | editar código-fonte]. Em 15 de julho de 1948, L'Osservatore Romano publicou O texto completo do decreto de 1949, escrito em latim, pode ser livremente traduzido da seguinte Por isso, no período pós-guerra, o Santo Ofício (actual Congregação para a Doutrina da Fé) voltou a

Observamos que o recurso a PDLs parece ser uma estratégia empregada pela oposição, e que o ímpeto para interferir na gestão do Executivo é significativamente maior em 2019 do que em situações análogas no passado (Lula em 2003 e Dilma em 2011). Ainda assim, é raro que essas iniciativas encontrem o respaldo da maioria dos parlamentares. Isto é, o Legislativo mostra de fato pouca disposição para interferir nesse âmbito de atuação do Executivo.

Contudo, o exemplo dos dois decretos revogados, que versavam sobre temas importantes para a pauta política do governo Bolsonaro, mostra que esse caminho pode ser trilhado com sucesso e é certamente uma opção caso se forme uma maioria no Congresso insatisfeita com as diretrizes do Planalto.

Júlio Canello é pesquisador do OLB e do Núcleo de Estudos sobre o Congresso (NECON), Mestre e Doutor em Ciência Política pelo IESP-UERJ, onde também realizou Pós-Doutorado.

Leonardo Martins Barbosa é pesquisador do OLB,Doutor em Ciência Política pelo IESP-UERJ e Pesquisador Sênior do NECON. Estuda partidos políticos e o sistema partidário brasileiro, com ênfase na inserção do PT no sistema político nacional. Tem graduação e mestrado em História.

__________________

Vídeo: O impacto da criação de gado no meio ambiente (TV Cultura)

Lula já usa aliança e planeja se casar quando deixar a prisão

Lula já usa aliança e planeja se casar quando deixar a prisão O ex-presidente Lula passou a usar aliança e vai se casar com a socióloga Rosângela Silva, 52 anos, assim que deixar a prisão. A informação é da jornalista Sonia Racy, do Estadão. Janja, como a a socióloga é carinhosamente chamada, mora em Curitiba e há duas semanas foi incluída como “família” na lista de visitantes […]

Receba notícias pelo
Messenger
Leia notícias pelo celular com
nosso app
Assine nossa
newsletter

João Feres Júnior é coordenador do OLB e professor associado de Ciência Politica do IESP-UERJ.

Leia Mais

Ciro vincula tática do PT pró-Lula a série de derrotas: ‘Agora e por três ou quatro eleições’.
Ciro vincula tática do PT pró-Lula a série de derrotas: ‘Agora e por três ou quatro eleições’

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 1
Isto é interessante!