Política Toffoli nega recurso de Aras e amplia pedido de acesso a dados do antigo Coaf

01:25  16 novembro  2019
01:25  16 novembro  2019 Fonte:   estadao.com.br

Diante de possível soltura de Lula, atuação do PT se divide entre enfrentamento e conciliação

  Diante de possível soltura de Lula, atuação do PT se divide entre enfrentamento e conciliação Diante de possível soltura de Lula, atuação do PT se divide entre enfrentamento e conciliaçãoAo longo dos últimos 18 meses, o PT, partido que governou o país por 14 anos, adotou pauta única e exclusiva: "Lula Livre". A mensagem foi espalhada com relativo sucesso nas Américas e obteve endosso em figuras tão diversas quanto o presidente recém-eleito na Argentina, Alberto Fernández, e o pré-candidato democrata americano Bernie Sanders.

Além de negar o pedido de Aras , Toffoli intima a Procuradoria-Geral da República para, levando em conta “o diálogo institucional proposto no pedido de reconsideração”, informe “voluntariamente” à Suprema Corte quem teve acesso aos dados encaminhados pelo antigo Coaf e quais relatórios

Resumo da notícia Toffoli negou pedido da PGR para revogar decisão Presidente do STF teve acesso a dados sigilosos de 600 mil pessoas Ao justificar a negativa ao pedido de Aras , Toffoli disse que os dados da Receita Federal "já

O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) © Felipe Rau/Estadão O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF)

BRASÍLIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, rejeitou o pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, e ampliou a solicitação de acesso aos relatórios financeiros de 600 mil pessoas produzidos nos últimos três anos pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), rebatizado Unidade de Inteligência Financeira (UIF). Agora, Toffoli quer saber, também, quem no Ministério Público Federal e no órgão de controle tem acesso a essas informações sigilosas.

Toffoli ignorou o argumento de Aras que, nesta sexta-feira, 15, afirmou em petição encaminhada à Corte que se tratava de uma “medida desproporcional” e que colocava em risco a integridade do sistema de inteligência financeira do País. O procurador-geral classificara o pedido de Toffoli como “demasiadamente" interventivo.

Toffoli e Lewandowski discutem sobre fechamento da Esplanada para o Brics

  Toffoli e Lewandowski discutem sobre fechamento da Esplanada para o Brics Toffoli e Lewandowski discutem sobre fechamento da Esplanada para o BricsNo entanto, o que devia ser um informativo comum, se tornou uma acalorada discussão entre ele e o ministro Ricardo Lewandowski. Toffoli anunciou que o acesso a Esplanada será interditado pelas Forças Armadas, que estão autorizadas a atuar por um decreto do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com a PGR, Aras considerou a “providência pelo ministro como demasiadamente interventiva Atendendo ao pedido do presidente do Supremo, o Banco Central autorizou o acesso às informações de quase 600 mil pessoas, incluindo autoridades com prerrogativa de foro privilegiado.

> Decisão de Toffoli sobre Coaf suspende ao menos 700 processos na Justiça. Aras escreveu em seu pedido que o acesso a essas informações ameaça informações privadas. “O pronunciamento em questão, no entender da Procuradoria-Geral da República, consiste em medida demasiadamente

“Não se deve perder de vista que este processo, justamente por conter em seu bojo informações sensíveis, que gozam de proteção constitucional, tramita sob a cláusula do segredo de justiça, não havendo que se cogitar, portanto, da existência de qualquer medida invasiva por parte do Supremo Tribunal Federal, maior autoridade judiciária do País. Nessa conformidade, indefiro o pedido de reconsideração formulado”, diz Toffoli, na decisão.

Além de negar o pedido de Aras, Toffoli intima a Procuradoria-Geral da República para, levando em conta "o diálogo institucional proposto no pedido de reconsideração”, informe “voluntariamente” à Suprema Corte quem teve acesso aos dados encaminhados pelo antigo Coaf e quais relatórios foram encaminhados.

Após julgamento do STF, parlamentares pressionam por PEC, mas Alcolumbre resiste

  Após julgamento do STF, parlamentares pressionam por PEC, mas Alcolumbre resiste Após julgamento do STF, parlamentares pressionam por PEC, mas Alcolumbre resisteEm seu voto decisivo, o presidente do Supremo, Dias Toffoli, lembrou que o Congresso tem autonomia para mudar o entendimento que garante um acusado responder em liberdade até o fim da tramitação de um processo na Justiça. Na quarta-feira, 6, um dia antes do término do julgamento, Alcolumbre já deu o recado. "Isso aí não tem nem perspectiva", afirmou.

Ao pedir os dados de 412,5 mil pessoas físicas e 186,2 mil jurídicas, a justificativa do presidente do Supremo era entender o procedimento de elaboração e tramitação dos relatórios financeiros ( do antigo Coaf ) e fiscais ( da Receita). Toffoli já havia pedido informações dessa natureza antes, mas

Aras a serviço de Toffoli . José Nêumanne Pinto. O procurador-geral da República não vai contestar judicialmente a determinação do presidente do STF, Dias Toffoli , que exigiu do BC cópias de todos os relatórios de inteligência financeira da UIF, ex- Coaf , dos últimos 3 anos, negando -se a cumprir seu

Toffoli pede para saber quais membros do Ministério Público Federal (com os respectivos cargos e funções) são cadastrados no sistema; quantos relatórios de informações financeiras (RIFs) foram recebidos pelo MP encaminhados “espontaneamente” pelo antigo Coaf; e quantos relatórios o Ministério Público recebeu “em razão de sua própria solicitação”.

O presidente do Supremo ainda critica os dados encaminhados pela Unidade de Inteligência Financeira afirmando que o órgão não esclareceu seis pontos pedidos por Toffoli. O ministro exigiu que o órgão encaminhe, até segunda-feira, 18, a lista de instituições cadastradas para receber os relatórios e os agentes aptos a terem acesso aos documentos.

O ministro diz que a UIF ainda tem até segunda-feira para dizer a quantidade de RIFs que foram disponibilizados por iniciativa do órgão e quais foram solicitados por instituições de investigações.

Lava Jato vai do 'auge' a derrotas em série nos 580 dias de prisão de Lula

  Lava Jato vai do 'auge' a derrotas em série nos 580 dias de prisão de Lula Lava Jato vai do 'auge' a derrotas em série nos 580 dias de prisão de LulaAo longo deste período, a operação Lava Jato foi do auge de sua popularidade para uma sequência de derrotas na arena política, na opinião pública e na Justiça.

Na resolução, Toffoli pede que o Ministério Público Federal informe quais membros da Suprema Corte estão cadastrados no sistema do antigo Recentemente, o procurador-geral Augusto Aras disse que a decisão da Corte de pedir acesso às informações era uma medida “demasiadamente interventiva”.

Aras esclarece. “A atividade de intercâmbio de informações entre UIF e autoridades competentes não permite a ampliação ou o direcionamento arbitrário das informações financeiras, mas, tão somente, a mera correção Toffoli nega recurso de Aras e amplia pedido de acesso a dados do antigo Coaf .

“À luz das relevantes preocupações demonstradas pelo Procurador-Geral da República com a segurança das informações disseminadas – reitero eu, disseminadas pela própria UIF - através dos relatórios de inteligência, inclusive em relação aos detentores de foro por prerrogativa de função e aqueles politicamente expostos, e pelo fato de que, até o momento, não se tem nos autos de forma clara informações sobre os destinatários dos RIFs disseminados para as autoridades competentes, intime-se a Unidade de Inteligência Financeira (UIF) para que informe até as 18h do dia 18/11, de acordo com os itens abaixo”, pede o ministro.

Os questionamentos de Toffoli contrapõe os argumentos defendidos por Aras no pedido rejeitado pelo ministro. O procurador-geral da República afirmou que as unidades de inteligência financeira devem ser independentes e autônomas, inclusive para analisar, solicitar, encaminhar ou disseminar informações específicas.

“Trata-se, portanto, de medida desproporcional que põe em risco a integridade do sistema de inteligência financeira, podendo afetar o livre exercício de direitos fundamentais”, disse Aras, sobre o pedido de acesso feito por Toffoli.

O despacho sigiloso do ministro, cujo teor foi divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo, foi feito no caso em que Toffoli determinou a suspensão nacional de todos os processos judiciais em que tenha havido compartilhamento de informações da Receita Federal e do antigo Coaf sem autorização judicial e para fins penais, o que beneficiou, entre outros, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro.

A decisão final sobre se o Coaf e outros órgãos de inteligência financeira vão poder ou não compartilhar dados financeiros vai ser julgada pelo Supremo na quarta-feira, 20. Em julho deste ano, atendendo a pedido do senador, Toffoli determinou a suspensão de todos os processos judiciais nos quais dados bancários detalhados de investigados tenham sido compartilhados por órgãos de controle sem autorização prévia do Poder Judiciário.

Auditores acionam organismos internacionais contra ações do Supremo e do TCU .
Auditores acionam organismos internacionais contra ações do Supremo e do TCUBRASÍLIA - O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco) protocolou quatro representações em organismos internacionais denunciando o que considera “graves retrocessos institucionais” no combate à corrupção e à lavagem de dinheiro no Brasil. Entre os fatos comunicados está a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, que suspendeu processos iniciados a partir do compartilhamento de dados entre a Receita Federal e o antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), e decisões do Tribunal de Contas da União (TCU).

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 1
Isto é interessante!