Política: O presidente e sua legenda - - PressFrom - Brasil

Política O presidente e sua legenda

00:25  17 novembro  2019
00:25  17 novembro  2019 Fonte:   istoe.com.br

Crise do PSL: Carla Zambelli diz que Bivar pediu cassação de seu mandato

  Crise do PSL: Carla Zambelli diz que Bivar pediu cassação de seu mandato Mano Menezes opina sobre os lances mais polêmicos de Vasco x Palmeiras

O presidente e sua legenda . Bolsonaro cria um partido só para ele , sua família e os deputados oportunistas que o cercam: a “Aliança pelo Brasil”, uma agremiação de extrema-direita. Para viabilizá-la a tempo de disputar as eleições de 2020, o presidente ameaça tirar deputados e verbas do PSL.

Presidente : Resposta de John Piper ao Presidente Obama Sobre o Aborto ( Legenda embutida). O Jovem Cristao.

DIREITA, VOLVER Sem espaço no PSL, Bolsonaro está criando um novo partido para  destilar suas ideias extremadas© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil DIREITA, VOLVER Sem espaço no PSL, Bolsonaro está criando um novo partido para destilar suas ideias extremadas

O presidente Jair Bolsonaro nunca prezou a fidelidade a partido algum. Ele sempre utilizou as legendas partidárias como alguém que chupa uma laranja e depois joga o bagaço fora. Em 31 anos de carreira política, já trocou de partido oito vezes — uma a cada quatro anos —, e agora começa a estruturar o caminho para a nona experiência, desta vez uma organização de extrema-direita para enfrentar o PT de Lula. A última agremiação que ele usou apenas para atingir seus objetivos pessoais, o PSL, tomado de aluguel para se eleger presidente da República no ano passado, foi descartada por seu grupo familiar na última terça-feira 12, depois de meses de uma briga fratricida com Luciano Bivar, o presidente nacional da legenda.

Partido que Bolsonaro vai criar já tem nome

  Partido que Bolsonaro vai criar já tem nome O primeiro episódio da série “Pelo Mar” mostra um pouco da minha ligação com o mar e também as ações que aprendi com meu patrocinador principal, a Oceano Surf Wear, uma empresa em que tenho orgulho em fazer parte. Através do projeto “Keep the Ocean Blue” fizemos diversas palestras as crianças durante o ano todo no sul do Brasil, além disso o projeto também já passou por Fiji, Indonésia, El Salvador, Peru e outros lugares, sempre passando a mensagem de conscientização ambiental para as pessoas. Participação: Sabrina Eggert (Oceano Surf Wear) Imagens: Lucas Mohr Edição: Lucas Mohr Direção: Petterson Thomaz #pelomar #keeptheoceanblue #oceanosemplastico #surf #recicle

Tenha o controle das legendas baixadas. Avalie. A legenda estava boa? ruim? Dê nota para as legendas baixadas! Favoritos. Ranking de legenders. Sua Legenda . A rede social perfeita para quem ama séries e filmes legendados.

Em 8 de janeiro de 2018, enviou carta ao presidente do PSB, Carlos Siqueira, na qual pôs o nome à disposição do partido para disputar a Presidência, mas deixou a legenda pouco depois por discordar da entrada do ex- presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa.

O anúncio da debandada dos bolsonaristas do PSL foi feito após uma reunião de parte da bancada com o próprio presidente — em foto divulgada depois do encontro, contou-se a presença de 31 dos 53 deputados eleitos pelo partido no ano passado, que prometem subscrever a criação do novo partido, que vai abrigar o grupo rompido com os bivaristas. A “Aliança pelo Brasil”, que terá Bolsonaro como presidente, já tem manifesto de fundação divulgado e data para a primeira convenção: será no próximo dia 21, em um hotel de Brasília, de acordo com a deputada Carla Zambeli (PSL-SP), uma das porta-vozes do encontro com Bolsonaro na tarde de terça-feira no próprio Palácio do Planalto.

O novo partido, que se apresenta como conservador, inspira-se na Arena (Aliança Renovadora Nacional), criada em 1966 para dar sustentação ao regime militar, responsável por torturas e práticas ditatoriais, defendidas pelos bolsonaristas. A “Aliança” defende valores reacionários, populistas e personalistas, carregada de tons messiânicos, como o de dar um “novo rumo” ao Brasil. A principal meta da agremiação é servir de escada para Bolsonaro disputar a reeleição em 2022. Para isso, o grupo do presidente precisa conseguir 500 mil assinaturas até março do ano que vem. Para agilizar o processo, esse grupo contratou o advogado Admar Gonzaga, ex-ministro do TSE, que no passado também ajudou o ex-prefeito Gilberto Kassab a fundar o PSD em tempo recorde. O problema é que Bolsonaro quer levar, além dos 31 deputados, também as verbas do fundo partidário que eles carregam desde que foram eleitos. Para evitar que os dissidentes levem o dinheiro para a “Aliança”, Bivar contratou Henrique Neves, outro ex-ministro do TSE. Ele não quer permitir a sangria dos recursos públicos que detém. O grupo de Bivar pretende, inclusive, acusar os dissidentes de infiéis, tomando-lhes até mesmo seus mandatos. Por essa razão, o time de Bolsonaro ficará no PSL até que a nova legenda seja criada.

Bolsonaro precisa criar partido em tempo recorde para habilitá-lo à eleição

  Bolsonaro precisa criar partido em tempo recorde para habilitá-lo à eleição Bolsonaro precisa criar partido em tempo recorde para habilitá-lo à eleiçãoNo fim de outubro, ele sugeriu que a sigla poderia se chamar Partido da Defesa Nacional (PDN). Nesta 3ª feira (12.nov.2019), depois de reunião no Palácio do Planalto com aliados, falou que a legenda se chamaria Aliança pelo Brasil. Sua desfiliação ao PSL ainda não foi oficializada.

Veja abaixo como é fácil baixar uma legenda ! Se ainda estiver com dúvidas, acesse este vídeo com um tutorial . Muito simples! Basta clicar com o botão direito sobre o arquivo de vídeo. Selecione o idioma e escolha as melhores legendas ! A busca ocorrerá automaticamente. Depois é só apertar o

O Presidente ainda conta com a Granja do Torto, uma fazendinha do tamanho de 40 campos de futebol para passar os finais de semana. Até o “ticket restaurante” do Presidente é infinito. As prestações oficiais de contas indicam gastos na ordem de R$ 60 mil mensais com comida – já que o

  O presidente e sua legenda © Fornecido por Três Editorial Ltda

Enquanto a “Aliança pelo Brasil” não é legalmente constituída, os bolsonaristas estão formalizando o seu estatuto, que pretende bater de frente com o lulismo. O partido, que será o 36º da política brasileira, pregará “o resgate de um país massacrado pela corrupção e pela degradação moral contra as boas práticas e os bons costumes”. O presidente pretende colocar militares nas presidências estaduais da nova legenda.

ROMPIMENTO Após brigarem com o PSL, deputados se reúnem com Bolsonaro no Palácio do Planalto© Fornecido por Três Editorial Ltda ROMPIMENTO Após brigarem com o PSL, deputados se reúnem com Bolsonaro no Palácio do Planalto

Tudo por dinheiro

O grupo bolsonarista começou a ficar desconfortável no PSL quando descobriu que o partido tinha um fundo partidário milionário (R$ 150 milhões anuais) e um fundo eleitoral maior ainda (R$ 500 milhões), dinheiro que estava sob controle de Bivar. Tentou de todas as formas colocar as mãos no dinheiro. Bivar resistiu. Foi aí que Bolsonaro soltou a frase que foi a senha para o rompimento: “Bivar está queimado para caramba”, referindo-se ao episódio do laranjal do Pernambuco no qual estava envolvido o dirigente partidário. Uma semana depois, a PF fez uma operação na casa de Bivar, procurando provas que o incriminassem. Na briga, Bolsonaro destituiu o deputado Delegado Waldir da liderança do PSL na Câmara, colocando seu filho Eduardo no lugar, depois de oferecer cargos públicos para parte dos deputados pesselistas. A guerra levou Waldir a chamar Bolsonaro de “vagabundo”. Na sequência, o presidente dispensou a deputada Joice Hasselmann do cargo de líder no Congresso, acusada de “traidora” e de aliada do governador João Doria. Estava ali desenhada a estratégia de Bolsonaro para estruturar um partido para chamar de seu.

CCJ do Senado pauta proposta que ameaça parlamentares sem partido .
CCJ do Senado pauta proposta que ameaça parlamentares sem partidoPela Proposta de Emenda à Constituição (PEC) em tramitação na comissão, deputados e senadores não poderão ficar mais de 90 dias sem filiação partidária, sob pena de perda do mandato. A PEC estabelece que o parlamentar sem partido na data da eventual publicação da emenda constitucional terá 90 dias para entrar em uma legenda.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 1
Isto é interessante!