Política: Como estão hoje os governadores do PSL eleitos pela “onda Bolsonaro” - - PressFrom - Brasil

Política Como estão hoje os governadores do PSL eleitos pela “onda Bolsonaro”

01:00  17 novembro  2019
01:00  17 novembro  2019 Fonte:   gazetadopovo.com.br

‘Cada deputado responda’, diz Eduardo Bolsonaro sobre gastos com empresas de fachada

  ‘Cada deputado responda’, diz Eduardo Bolsonaro sobre gastos com empresas de fachada ‘Cada deputado responda’, diz Eduardo Bolsonaro sobre gastos com empresas de fachadaO Estado também mostrou, em reportagem publicada na última segunda, 4, que deputados do PSL têm contratado consultoria de advogados particulares com dinheiro da cota parlamentar.

O peixe da foto é uma traira! O que é traíra: Pessoa traidora e falsa que não inspira confiança! Os deputados do PSL foram eleitos surfando na onda

Candidatos do PSL , PSC e Novo, partidos sem expressão no âmbito nacional até então, colaram suas imagens em Bolsonaro e elegeram seis governadores . Agora há o clã Dino. Balanço: Bolsonaro terá pelo menos 14 governadores aliados. Operação Lava Toga: a chance de limpar o Judiciário.

Da esquerda para a direita, os três governadores do PSL: Marcos Rocha (governador de Rondônia), Antonio Denarium (de Roraima) e Carlos Moisés  (Santa Catarina).© Montagem a partir de reprodução/Facebook Da esquerda para a direita, os três governadores do PSL: Marcos Rocha (governador de Rondônia), Antonio Denarium (de Roraima) e Carlos Moisés (Santa Catarina).

Os três jamais haviam disputado uma eleição. Venceram as corridas eleitorais em seus estados de forma surpreendente, derrotando políticos tradicionais. Foram beneficiados pela onda conservadora que marcou a eleição de 2018 e, principalmente, por associarem sua imagem à do hoje presidente Jair Bolsonaro. E, assim, se tornaram os primeiros governadores eleitos pelo PSL, partido que em menos de um ano saiu de nanico para gigante no cenário nacional.

'Não tem frustração nenhuma', diz Bolsonaro sobre leilão do pré-sal

  'Não tem frustração nenhuma', diz Bolsonaro sobre leilão do pré-sal 'Não tem frustração nenhuma', diz Bolsonaro sobre leilão do pré-salBolsonaro lembrou que eram quatro áreas ofertadas e duas foram vendidas. "Foi menor que o previsto, lógico que o dinheiro será menor", reconheceu. "O campo mais importante foi vendido. No meu entender, foi um sucesso", acrescentou. "O dinheiro é bem-vindo.

Com Bolsonaro internado a população que o apoia sai as ruas para continuar com sua campanha.

Expulso pelo partido, deputado afirma que há vários integrantes do PSL insatisfeitos com o presidente, mas que ninguém quer criticá-lo.

As semelhanças entre Carlos Moisés (governador de Santa Catarina), Marcos Rocha (Rondônia) e Antonio Denarium (Roraima), entretanto, não vão muito além disso. Ao longo dez meses e meio de gestão, os três governadores têm imprimido marcas distintas de trabalho e também conduzido relações distintas com o bolsonarismo. E, com a crise interna do PSL, ao menos um deles pode se distanciar ainda mais dos outros dois.

Veja também:

  • Como Bolsonaro pretende criar um partido do zero

Carlos Moisés, o menos bolsonarista dos governadores do PSL

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, não teve nenhum envolvimento na disputa vivida pelo PSL no plano federal, que opôs bolsonaristas a "bivaristas" – aliados do deputado Luciano Bivar (PE), presidente da legenda. Mas Moisés já avisou que não vai deixar o PSL para migrar para o Aliança pelo Brasil, o partido que Bolsonaro decidiu criar para sair do partido pelo qual foi eleito.

Rússia acusa oposição da Bolívia de desencadear onda de violência

  Rússia acusa oposição da Bolívia de desencadear onda de violência Rússia acusa oposição da Bolívia de desencadear onda de violênciaO presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou sua renúncia no domingo para reduzir a violência que atinge seu país desde o resultado polêmico da mais recente eleição, embora dizendo que fora vítima de um "golpe" e que enfrentava uma possível prisão tenha intensificado o receio de conflitos ainda maiores.

Hoje finalmente ficou claro porque o PL 3723 não entra em votação. Há traidores dentro do PSL . As máscaras caíram. 7. A ONDA BOLSONARO E OS POLÍTICOS DESARMAMENTISTAS - Продолжительность: 10:35 Marcos Pollon 2 516 просмотров.

Eleições 2018 no UOL: veja governadores eleitos e estados com segundo turno. PSL , do presidente eleito , Jair Bolsonaro , vence disputa pelo governo em 3 estados : SC, RO e RR. Em 5 unidades da federação, os vencedores tiveram mais de 60%: MG, SC, DF, SE e RO.

Comandante Moisés, como é conhecido, tem se mostrado o menos bolsonarista dos governadores do PSL. Ao longo do mandato, ele tem feito uma série de gestos que desagradaram os apoiadores mais radicais do presidente. Recebeu membros do MST no palácio do governo. Criou uma taxa sobre o uso de agrotóxicos. Criticar o que chamou de "pessoal da arminha". Falou que "quem tem preconceito tem que trabalhar a cabeça para se livrar", em relação aos grupos anti-LGBT.

Mais recentemente, um dia após a eclosão da crise criada com a declaração do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sobre o AI-5, Moisés escreveu em seu perfil no Twitter que a "manutenção da democracia, com o fortalecimento e aperfeiçoamento das instituições, são fundamentais para que sigamos o rumo do desenvolvimento social e econômico".

Veja também:

  • Entrevista do governador de Santa Catarina para a Gazeta do Povo

As posturas, claro, despertaram reações. Moisés passou a ser visto como inimigo por membros de seu próprio partido – especialmente os deputados estaduais Jessé Lopes e Ana Caroline Campagnolo. Ambos são jovens, de militância nas redes sociais e identificados com o "pessoal da arminha" criticado pelo governador. Um processo de expulsão dos parlamentares do PSL chegou a ser implantado, mas Moisés negou que estivesse por trás da iniciativa.

Em reunião, Bolsonaro anuncia desfiliação do PSL e criação de partido

  Em reunião, Bolsonaro anuncia desfiliação do PSL e criação de partido Em reunião, Bolsonaro anuncia desfiliação do PSL e criação de partidoO deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) acredita que, do total de pesselistas, 51 em exercício, cerca de 30 podem anunciar a filiação ao Aliança pelo Brasil. A deputada Bia Kicis (PSL-DF) explica, contudo, que, no caso de deputados, será preciso aguardar a abertura da janela partidária para a filiação no novo partido.

Com a onda que deu a vitória a Bolsonaro em outubro de 2018, o PSL foi a sigla mais votada e acabou elegendo a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados. Raio-x do psl . 271.195 filiados (em ago.19). 3 governadores . 53 deputados federais. 3 senadores.

Deputados do PSL também estarão nas Mesas das Assembleias da Bahia e do Espírito Santo. A sigla saiu da eleição de 2018 com 76 deputados estaduais eleitos , além de três governadores - Santa Catarina, Roraima e Rondônia. Em Brasília, tem 54 deputados federais e quatro senadores.

Nas redes sociais de Campagnolo, Moisés é alvo recorrente de críticas. A deputada aponta um suposto oportunismo do governador por se eleger sob a imagem de Bolsonaro e depois se afastar do presidente e também por ter se aproximado do PDT.

Em postagem de 1.º de novembro, Moisés foi chamado de "palestrinha da democracia" por Campagnolo, justamente por causa da manifestação do governador acerca da declaração de Eduardo Bolsonaro.

No campo administrativo, Moisés tem conduzido o governo com austeridade. Aprovou em junho uma reforma administrativa que levou à diminuição do tamanho do estado. Neste aspecto, mostrou convergência com o governo Bolsonaro, mais especificamente com as diretrizes do ministro Paulo Guedes.

Marcos Rocha: dos governadores do PSL, o que enfrenta menos problemas

Quando os olhos do mundo estavam voltados para a Amazônia, em virtude do aumento do número de queimadas na região, o governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha, publicou um longo texto com sua visão sobre o tema. Nas palavras dele, há grande sintonia de sua posição com os discursos de Bolsonaro sobre o assunto.

Eduardo Bolsonaro diz que partido será sólido em 'princípios conservadores'

  Eduardo Bolsonaro diz que partido será sólido em 'princípios conservadores' Eduardo Bolsonaro diz que partido será sólido em 'princípios conservadores'Segundo Eduardo, o partido vem para ‘consolidar o novo rumo brasileiro e libertar a pátria da destruição de valores cristãos e morais’.

Com a onda que deu a vitória a Bolsonaro em outubro de 2018, o PSL foi a sigla mais votada e acabou elegendo a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados. Raio-x do psl . 271.195 filiados (em ago.19). 3 governadores . 53 deputados federais. 3 senadores.

Admite a derrota: eduardo bolsoanro é o novo líder do psl na câmara. ●● acompanhe nossas live ● 📍 canal questione-se (seg a sex as 18:30 📍 vlog do Urgente: bolsonaro declara que exercito vai usar o artigo 142 no brasil

"A Amazônia é nossa. Em pleno século 21, sequer devia haver discussão a respeito. Acreditar em bondade e altruísmo de agentes externos – quando falamos da preciosidade que a Amazônia representa e dos diversos indícios de interesses geopolíticos na região – me soa ingenuidade ou mau-caratismo mesmo", diz parte do relato de Marcos Rocha.

Veja também:

  • Quem são os deputados do PSL que não foram convidados para o novo partido de Bolsonaro

A conexão com o governo federal foi também enfatizada por elogios mútuos entre Rocha e ministros. "Sou o governador mais alinhado com o ministro Sergio Moro [Segurança] e a ministra Damares Alves [Mulher, Família e Direitos Humanos], para cumprirmos uma cartilha de redução de crimes do colarinho branco, crimes contra crianças e crimes comuns", disse.

Em função de seu alinhamento com o governo Bolsonaro, a expectativa dos bastidores é de que Coronel Marcos Rocha migre do PSL para a Aliança pelo Brasil, partido que será criado por Bolsonaro e seus alidos.

No âmbito interno de Rondônia, o governador tem também mostrado força. Desfruta de boa relação com a Assembleia Legislativa local, a ponto de ter visto um pedido de impeachment contra ele não passar sequer das etapas iniciais no Legislativo.

Antonio Denarium: paz externa, conflitos internos em Roraima

Governador de Roraima, Antonio Denarium ainda não falou publicamente se vai deixar o PSL para entrar na Aliança pelo Brasil. Mas, nos bastidores, a especulação é que ele acompanhe o presidente Jair Bolsonaro na nova legenda.

Nos Estados, PSL se alia a ‘rivais’ de Bolsonaro

  Nos Estados, PSL se alia a ‘rivais’ de Bolsonaro Nos Estados, PSL se alia a ‘rivais’ de BolsonaroA falta de unidade que caracteriza a bancada federal do PSL – e que ajudou o presidente Jair Bolsonaro a decidir pela desfiliação do partido – também é observada na posição dos representantes da sigla em seus Estados. À frente de três governos, a legenda se divide, ora na oposição ora na situação. E chega a ser aliada de siglas que, em 2022, terão candidatos próprios à Presidência ou que integram o Centrão, bloco partidário criticado por bolsonaristas nas redes sociais.

Um perfil conservador aprofundado pela " onda Jair Bolsonaro ", o candidato a presidente da República que é Embora Bolsonaro seja a favor de reduzir a maioridade penal de 18 para 16 anos, o diretor do Diap Então provavelmente não interesse aos governadores apoiar isso", diz Borges.

A política vai mudar em 2019. A renovação no Congresso Nacional foi a maior em 20 anos, com políticos de maioria conservadora ocupando vagas na Câmara dos

Denarium tem a sua relação com o governo federal como um dos principais trunfos. Viagens a Brasília para articulação com autoridades da capital figuram em destaque em suas redes sociais. Elogios dos ministros Paulo Guedes (Economia) e Damares Alves (Direitos Humanos) são comemorados por internautas que visitam as páginas do governador de Roraima e celebram os feitos do governo.

Veja também:

  • PSL acelera ofensiva contra aliados de Bolsonaro

Ele também mostra sintonia com o discurso de Bolsonaro em um tema caro ao presidente da República, que é a expansão da mineração. Ao longo do período eleitoral, Bolsonaro costumava dizer que poderia transformar Roraima em "um Japão", em virtude das riquezas do subsolo do estado. Denarium tem dialogado constantemente com garimpeiros e também levado demandas do setor a Brasília.

Mas o clima de diálogo que Denarium mostra em suas relações no âmbito federal não encontra eco dentro de seu próprio estado. O governador tem colecionado desafetos ao longo dos 11 meses de gestão. Um deles é o vice-governador, Frutuoso Lins (Solidariedade), que rompeu com Denarium em agosto. Na ocasião, Lins disse que o estopim para a separação era a visão do governador sobre o agronegócio – segundo ele, o governador prioriza as grandes empresas do setor em detrimento dos produtores familiares. Ainda no primeiro semestre, Lins disse que Denarium não estava cumprindo sua promessa de fazer dele uma peça importante na gestão.

Denarium também não tem relação harmônica com o presidente da Assembleia Legislativa de Roraima, Jalser Renier. O governador acusa o deputado de barrar temas de interesse do governo estadual, enquanto Renier rebate dizendo que Denarium "brinca" de administrar Roraima. A temperatura subiu principalmente após o vazamento de um áudio da deputada estadual Catarina Guerra (Solidariedade), aliada de Denarium, que falava sobre o interesse do governador em ver outro nome no comando da Assembleia.

E, no Poder Legislativo local, a principal voz em defesa de Denarium é do líder do governo na Assembleia, o deputado Soldado Sampaio, filiado ao Partido Comunista do Brasil – o mesmo PCdoB que, no plano federal, faz oposição ferrenha a Bolsonaro. A inusitada aliança foi justificada por Denarium e Sampaio na linha do "estamos pensando no melhor para o estado, não em questões partidárias".

O presidente e sua legenda .
O presidente e sua legenda

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 4
Isto é interessante!