Política Aliança pelo Brasil: Bolsonaro sinaliza que será o líder do próprio partido

01:40  19 novembro  2019
01:40  19 novembro  2019 Fonte:   correiobraziliense.com.br

Steve Bannon: Lula é 'maior ídolo da esquerda globalista do mundo' e liberdade trará 'enorme perturbação' ao Brasil

  Steve Bannon: Lula é 'maior ídolo da esquerda globalista do mundo' e liberdade trará 'enorme perturbação' ao Brasil Steve Bannon: Lula é 'maior ídolo da esquerda globalista do mundo' e liberdade trará 'enorme perturbação' ao BrasilEm entrevista exclusiva à BBC News Brasil, o CEO da campanha de Donald Trump à presidência e ex-estrategista-chefe de governo do republicano chama Lula de "cínico e corrupto", diz que o petista foi corrompido pelo poder e sugere que seu retorno significará a "volta da corrupção" ao Brasil.

A Aliança pelo Brasil ( ALIANÇA ) é uma organização política brasileira que pretende se transformar em partido político. Foi anunciada por Jair Bolsonaro , em 12 de novembro de 2019, durante o exercício do mandato de presidente do Brasil , ao declarar a sua saída do Partido Social Liberal

Na última quinta-feira dia 21 teve a convenção de lançamento do novo partido do Bolsonaro , Aliança pelo Brasil . A legenda terá Jair Bolsonaro com presidente e o senador Flavio Bolsonaro como vice, nasce com a promessa de ser o primeiro partido genuinamente conservador do país.

  Aliança pelo Brasil: Bolsonaro sinaliza que será o líder do próprio partido © AFP / POOL / Pavel Golovkin

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sinalizou na tarde desta segunda-feira (18/11) na entrada do Palácio do Alvorada que pretende ser o líder do ‘Aliança pelo Brasil’. “Eu acho que sim”, apontou.

Até então, o chefe do Executivo não havia feito um pronunciamento sobre o assunto. Os membros da Executiva do partido devem ser os filhos, Flávio e Eduardo Bolsonaro.

Questionado a respeito da sobrecarga de cargos caso seja o presidente do novo partido e se o filho, Flávio, poderia ser escolhido como presidente da sigla, ele respondeu: “Eu não vou discutir o partido. Está previsto quinta-feira, dia 21, a gente lançar a pedra fundamental”.

Bolsonaro precisa criar partido em tempo recorde para habilitá-lo à eleição

  Bolsonaro precisa criar partido em tempo recorde para habilitá-lo à eleição Bolsonaro precisa criar partido em tempo recorde para habilitá-lo à eleiçãoNo fim de outubro, ele sugeriu que a sigla poderia se chamar Partido da Defesa Nacional (PDN). Nesta 3ª feira (12.nov.2019), depois de reunião no Palácio do Planalto com aliados, falou que a legenda se chamaria Aliança pelo Brasil. Sua desfiliação ao PSL ainda não foi oficializada.

O partido aliança pelo Brasil já nasce grande, porque os apoiadores estão trabalhando muito Por todo o Brasil no sentido de fazer a sua ficha de apoio para a criação do partido , uma vez registrado será o partido da reeleição do nosso grande presidente.

Bolsonaro anuncia saída do PSL e confirma novo partido : Aliança pelo Brasil . Conte Lopes combate críticas ao presidente Jair Bolsonaro - Продолжительность: 10:18 Alesp 1 053 728 просмотров.

O primeiro encontro do partido em formação Aliança pelo Brasil será transmitido pelas redes sociais na quinta-feira (21) e escolherá os membros da Executiva Nacional do grupo.

Para não serem expulsos por infidelidade partidária, os deputados aliados de Bolsonaro na sigla peselista continuarão no partido até a oficialização da nova sigla.

No último dia 12, Bolsonaro anunciou a saída do PSL e a criação do novo partido. O pedido de criação de um partido precisa ser protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com ao menos 419,9 mil assinaturas em nove Estados. Para que a nova sigla possa participar das disputas municipais do ano que vem, por exemplo, todos os trâmites devem estar cumpridos até março, seis meses antes das eleições.

_______________________

FHC: Taxar seguro-desemprego é ‘ridículo’; agenda 'ultraliberal' de Bolsonaro pode gerar revolta como no Chile .
FHC: Taxar seguro-desemprego é ‘ridículo’; agenda 'ultraliberal' de Bolsonaro pode gerar revolta como no ChileEm entrevista exclusiva à BBC News Brasil, em Londres, FHC elogiou a reforma da Previdência, mas não poupou palavras para criticar outras propostas de ajuste fiscal lançadas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, como a taxação do seguro-desemprego.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 1
Isto é interessante!