Política MPF: Projeto de Bolsonaro impõe retrocesso ao direito de pessoas com deficiência

04:45  07 dezembro  2019
04:45  07 dezembro  2019 Fonte:   poder360.com.br

Diego Hypolito vira evangélico, tira foto com Bolsonaro e impõe conversão de namorado, diz colunista

  Diego Hypolito vira evangélico, tira foto com Bolsonaro e impõe conversão de namorado, diz colunista Ginasta protagonizou campanha publicitária de gel íntimo, foi visto em oração com primeira-dama e esteve com presidente A edição desta Diego Hypolito vira evangélico, tira foto com Bolsonaro e impõe conversão de namorado, diz colunista - Torcedores.com.

Projeto de lei do governo pretende alterar política de inclusão no mercado de trabalho de pessoas com deficiência © Reprodução Pixabay Projeto de lei do governo pretende alterar política de inclusão no mercado de trabalho de pessoas com deficiência

A PFDC (Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão), do MPF (Ministério Público Federal), encaminhou nesta 6ª feira (6.dez.2019) uma nota técnica ao Congresso Nacional contra o projeto de lei 6.159/2019, proposto pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, que desobriga a contratação de pessoas com deficiência mediante pagamento a 1 programa específico.

Para a procuradoria, representa grave retrocesso nos direitos sociais historicamente assegurados a pessoas com deficiência e, por esse motivo, deve ser rejeitado.

Congresso mantém veto de Bolsonaro a propaganda partidária

  Congresso mantém veto de Bolsonaro a propaganda partidária Congresso mantém veto de Bolsonaro a propaganda partidáriaDurante sessão nesta terça-feira, 3, partidos do chamado Centrão conseguiram rejeitar o veto entre os deputados, mas os votos dos senadores não foram suficientes para retomar o conteúdo da minirreforma eleitoral. A bancada lavajatista no Senado comemorou a manutenção do veto.

O projeto foi assinado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em 26 de novembro. A proposta também estabelece que a contratação de uma pessoa com deficiência grave conta pela contratação de duas pessoas com deficiência moderada.

A procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, e os integrantes do grupo de trabalho inclusão de pessoas com deficiência da PFDC, apontam que a elaboração do texto não contou com qualquer debate prévio junto ao público diretamente interessado.

Afirmam ainda que a proposta desconsiderou o Regimento Interno da Câmara dos Deputados  – que impede que os projetos tenham duas ou mais matérias diversas. A pretexto de regular a instituição do auxílio inclusão previsto na LBI (Lei Brasileira de Inclusão), segundo os procuradores, o texto promove uma série de alterações prejudiciais no sistema de cotas para as pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

Rodrigo Maia diz que vai barrar projeto do governo

  Rodrigo Maia diz que vai barrar projeto do governo Rodrigo Maia diz que vai barrar projeto do governoA proposta do governo prevê, entre outras mudanças, que as empresas substituam a contratação desse público pelo pagamento de um valor correspondente a dois salários mínimos mensais. Os recursos iriam para uma conta da União e abasteceriam um programa de reabilitação física e profissional.

“O auxílio inclusão é uma forma de incentivar as pessoas com deficiência que dependem da Assistência Social a entrarem no mercado de trabalho e, com isso, facilitar a sua inclusão social”, afirmam em nota.

Os procuradores apontam ainda problema relacionado às excludentes criadas no cálculo de vagas para se fazer reserva legal à pessoas com deficiência. Pelo texto, vagas com jornada de trabalho inferior a 26 horas – justamente as mais procuradas por pessoas com deficiência – não poderão ser computadas, bem como aquelas destinadas a atividades perigosas.

Uma manifestação emitida pela Coordenadoria Nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho, afirma que o projeto “não tem o escopo de contribuir para a inclusão da pessoa com deficiência, mas, sim, de desonerar o empregador”, voltando o foco da deficiência como fator de “incapacidade”.

Bolsonaro se reúne com Maia após deputados cobrarem do governo pagamento de emendas

  Bolsonaro se reúne com Maia após deputados cobrarem do governo pagamento de emendas Bolsonaro se reúne com Maia após deputados cobrarem do governo pagamento de emendasAntes do encontro na residência oficial de Bolsonaro, Maia se reuniu com deputados que reforçaram as queixas e ameaçaram uma "rebelião", até mesmo com a obstrução das próximas votações, incluindo a do Orçamento para 2020. O presidente da Câmara está incomodado com a falta de articulação política do governo no Congresso, que teria, na sua avaliação, líderes com pouca influência.

O projeto ainda propõe duas formas alternativas à contratação de trabalhadores com deficiência. A 1ª é a contribuição em dinheiro para a União, que usaria esses recursos para ações de habilitação e reabilitação. A outra forma é a de unir 2 ou mais empresas para que, juntas, possam alcançar o coeficiente de contratação previsto na lei.

Na 4ª feira (4.dez.2019), o presidente da Câmara dos Deputados , Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse aos congressistas que o projeto de lei do governo que modifica a atual política de inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho “não vai prosperar” em seu mandato.

De acordo com o jornal O Globo, o governo já conta com a possibilidade de ter que fazer mudanças na proposta. O pedido de urgência na tramitação da matéria, que dá ao Congresso 45 dias para votar o PL, foi retirado pelo próprio governo na 3ª feira (3.dez).

Em vigor há 28 anos, a Lei das Cotas determina que empresas com mais de 100 funcionários mantenham em seus quadros entre 2% a 5% das vagas para a contratação de pessoas com deficiência.

________________________________

Senado aprova projeto que acaba com prisão disciplinar de policiais e bombeiros .
Senado aprova projeto que acaba com prisão disciplinar de policiais e bombeirosO projeto faz parte de uma série de propostas aprovadas a toque de caixa nesta quarta, anunciada como a última sessão deliberativa do plenário do Senado. Pela proposta, policiais e bombeiros não poderão ser presos por condutas disciplinares como atrasos, manifestações em redes sociais e tratamento irregular a superiores.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 1
Isto é interessante!