Política Análise: A importância do ‘fio de bigode’ no trato político

13:15  22 fevereiro  2020
13:15  22 fevereiro  2020 Fonte:   estadao.com.br

Demissão de Jesualdo já é cogitada no Santos, mas valores e desgaste político são entraves

  Demissão de Jesualdo já é cogitada no Santos, mas valores e desgaste político são entraves Demissão de Jesualdo já é cogitada no Santos, mas valores e desgaste político são entravesO futuro de Jesualdo no alvinegro praiano já foi discutido em reunião do Comitê de Gestão do clube, na última semana. O futebol pouco vistoso apresentado pelo time até o momento não tem agradado internamente, inclusive o mandatário o clube.

O general Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo, recebe bilhete do general Augusto Heleno (GSI) – que criticou suposta 'chantagem' do Congresso © Dida Sampaio/Estadão O general Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo, recebe bilhete do general Augusto Heleno (GSI) – que criticou suposta 'chantagem' do Congresso O descumprimento de acordos celebrados pelo Planalto com deputados e senadores já foi responsável pela queda de ministros em um passado não muito distante. A importância de honrar a palavra dada é sempre vista nos salões Verde e Azul do Congresso como peça fundamental do jogo político para a sustentação de qualquer presidente da República.

Na atual temporada, o personagem escolhido como “vilão” é o ministro da Economia, Paulo Guedes. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), asseguram que Guedes deu sinal verde para o trato sobre a repartição do dinheiro do Orçamento, mas ele nega. Diante desse imbróglio, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos – responsável pela articulação entre Planalto e Congresso –, saiu dizendo que o acerto teve o aval de Guedes e do presidente Jair Bolsonaro

Como diferenciar uma gripe comum do novo coronavírus?

  Como diferenciar uma gripe comum do novo coronavírus? Como diferenciar uma gripe comum do novo coronavírus?

No primeiro mandato de Dilma Rousseff, o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Luiz Sérgio, caiu após cinco meses, em junho de 2011, porque tinha fama de não honrar o fio do bigode. Foi deslocado para a Pesca. Seu apelido era “garçom do Planalto”. Motivo: só levava e trazia pedidos.

Em fevereiro de 2015, o então líder do PMDB Eduardo Cunha foi eleito presidente da Câmara porque formou um bloco coeso, o Centrão, e ficou conhecido por financiar colegas e cumprir tratos, mesmo para o mal. Dessa forma, impôs derrota ao governo Dilma, vencendo no primeiro turno a disputa contra o petista Arlindo Chinaglia, patrocinado pelo Planalto.

No Congresso de hoje, a fatura política chega até por WhatsApp. Sem o que foi combinado, ninguém vota nada. É o toma lá dá cá em novo estilo, com o loteamento de cargos batizado como “banco de talentos”. Só para lembrar, em outubro de 2015 o então chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, foi transferido para a Educação sob bombardeio porque vetava acordos. Sem base no Congresso, Dilma sofreu impeachment em 2016. Réu da Lava Jato, Cunha está preso.

A maldição da cadeira de articulador do governo no Congresso também atinge o titular da Economia porque ele é o dono da chave do cofre. Guedes, o “Posto Ipiranga” de Bolsonaro, está sendo queimado. É mais um perigo à vista na Praça dos Três Poderes.

____________________________

Exclusivo: Zico fala sobre tragédia no Ninho do Urubu e direção do Flamengo .
Em entrevista exclusiva à DAZN, o galinho fala sobre o incêndio do Ninho do Urubu e sobre a postura da diretoria rubro-negra no casoQuem também falou sobre o assunto foi Zico, o maior ídolo da história do Flamengo. Em entrevista exclusiva à DAZN, o galinho mostrou solidariedade com relação às famílias e aos garotos envolvidos na tragédia e disse ser complicado falar a respeito do assunto sem separar o lado humano do lado político e financeiro.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 3
Isto é interessante!